• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Efeito » Copa atrapalha comércio e indústria no 2º trimestre

Agência Estado

Publicação: 17/08/2014 16:02 Atualização:

A Copa do Mundo no Brasil, realizada entre junho e julho, teve efeitos negativos em diversos balanços de companhias abertas no segundo trimestre. Comércio, serviços e indústria sentiram o impacto da redução do número de dias úteis e das atenções voltadas ao Mundial. Por outro lado, setores específicos, como o de bebidas e alimentos, comemoraram as altas nas vendas, assim como o varejo de eletrônicos.

As vendas da Natura no Brasil entre abril e junho ficaram abaixo do esperado pela fabricante de cosméticos, segundo afirmou o vice-presidente de Finanças, Jurídico e de Relações com Investidores da Natura, Roberto Pedote, em teleconferência com jornalistas sobre o balanço. O executivo considerou que o desempenho foi prejudicado pelo menor número de dias úteis no período na comparação com o ano anterior. A receita líquida da Natura no Brasil, excluindo as operações internacionais, alcançou R$ 1,476 bilhão de abril a junho, crescimento de 1,8% na comparação com os mesmos meses de 2013.

No varejo de vestuário, as vendas no conceito mesmas lojas (abertas há mais de um ano) da rede Hering Store, da Cia. Hering apresentaram retração de 9,9% no segundo trimestre deste ano. O ritmo de crescimento representou uma queda de 9,1 pontos percentuais ante o mesmo período de 2013, quando as vendas mesmas lojas caíram 0,8%.

Outro setor que sofreu com o evento esportivo foi o de construção. As vendas líquidas da PDG somaram R$ 383 milhões no segundo trimestre, queda 20,2% em relação a um ano antes. Já as vendas contratadas da EZtec foram de R$ 194,159 milhões, recuo de 47% ante o mesmo período do ano passado.

"Além do efeito da Copa do Mundo, a confiança do consumidor vem se reduzindo diante do cenário macroeconômico desafiador, e muitas construtoras vêm sofrendo com aumentos de custos e o nível de endividamento", comenta Fabio Galdino, analista da Guide Investimentos.

A MRV, no entanto, surpreendeu os analistas ao reportar lucro de R$ 401 milhões no segundo trimestre, crescimento de 184,6% na comparação ao registrado no mesmo período do ano passado. Foi o maior lucro registrado pela companhia em um único trimestre. A construtora se beneficia da baixa concorrência no segmento econômico, impulsionado pelo programa do governo federal Minha Casa, Minha Vida.

Educação, teles e energia
Até mesmo o setor de educação, que vem tendo resultados fortes com o incentivo de programas do governo federal, sentiu o "efeito Copa". O presidente da Kroton, Rodrigo Galindo, avaliou que houve impacto negativo de feriados e dias de jogos, mas considerou que isso "não muda o resultado drasticamente". A companhia encerrou junho com 619,4 mil estudantes matriculados em seus cursos de graduação e pós-graduação, número 20,3% maior que o do mesmo período de 2013. Porém, na comparação com o primeiro trimestre de 2014, o número de estudantes na base caiu 2,4%.

Entre as operadoras de telefonia, a Telefônica Vivo, por exemplo apresentou redução de 5,4% na receita líquida do negócio fixo no segundo trimestre ante igual intervalo do ano passado, provocada, entre outros fatores, pelo menor número de dias úteis durante a Copa do Mundo, afetando principalmente o uso do segmento corporativo. Já a receita líquida total da TIM atingiu R$ 4,775 bilhões, queda de 3,4% na comparação anual.

No setor de energia, o consumo total dos clientes industriais da Light foi de 1.385 GWh, com participação de 21,3% no mercado total, decréscimo de 3% em comparação com o mesmo período

do ano passado. De acordo com a companhia, a queda ocorreu "em função da retração das indústrias eletrointensivas, com atividades de produção de aço/alumínio e do setor químico, em parte explicada pelas interrupções nos dias de jogos da Copa".

Alimentos, bebidas e eletrônicos
A realização da Copa do Mundo do Brasil aumentou em cerca de 15% o volume de vendas da Marfrig no País, segundo afirmou o diretor-presidente da companhia, Sergio Rial. De acordo com o executivo, o efeito do Mundial foi importante para compensar a busca por um mix de qualidade inferior no atacado, decorrente da pressão do consumidor.

A receita bruta da Minerva no mercado doméstico avançou 20,8% para R$ 568,2 milhões. A companhia informou que o desempenho foi ajudado pela Copa do Mundo, que gerou acréscimo no consumo de cortes nobres de carnes, usados em churrascos.

A fabricante de bebidas Ambev também destacou a relevância da Copa do Mundo para as vendas de cerveja, embora estas tenham ficado aquém das expectativa de analistas. De acordo com a companhia, o evento contribuiu com aproximadamente 1,4 milhão de hectolitros adicionais ao volume de cerveja. As operações brasileiras da Ambev registraram um avanço de 7,6% no volume de bebidas no segundo trimestre sobre um ano antes.

No varejo eletrônico, o Mundial de futebol teve "uma participação muito significativa" para o aumento de 38% das vendas da B2W registrado no segundo trimestre de 2014, afirmou o diretor de Relações com Investidores da companhia controlada pela Lojas Americanas, Fábio Abrate.

Enquanto isso, Magazine Luiza reportou crescimento de 24,5% nas vendas mesmas lojas, incluindo o e-commerce, no segundo trimestre deste ano. O diretor superintendente da empresa, Marcelo Silva, afirmou por ocasião da divulgação do balanço que as vendas de TVs associadas a Copa do Mundo superaram as expectativas. Ele não revelou qual foi o porcentual de crescimento, mas disse que o resultado "foi muito superior" ao previsto ao final de 2013, de alta de 35% a 40% ante o ano anterior.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.