• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Combustíveis » Inflação desacelera e abre espaço para o reajuste no preço da gasolina

Simone Kafruni - Correio Braziliense

Publicação: 12/08/2014 16:50 Atualização:

O governo ainda não está convencido de que deve autorizar um aumento dos combustíveis antes das eleições. Contudo, só o fato de a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, terem sinalizado de que não manterão o preço da gasolina congelado até o fim do ano, já serviu para conter a crítica da oposição contra o aperto sobre o caixa da Petrobras. O desempenho da petroleira, cuja imagem está bastante arranhada, foi colocado no centro das discussões políticas.

Para aliviar as finanças da estatal, os especialistas apontam que a alta da gasolina deveria ser de 4% a 5%. Mas a dificuldade para o governo liberar o reajuste está no controle da inflação, pois cada ponto percentual de aumento no combustível representa um impacto de 0,04 ponto percentual no Índice de Preços do Consumidor Amplo (IPCA). “Se o reajuste for de 5%, por exemplo, o reflexo será de 0,20 ponto percentual”, explicou o economista da Fundação Getulio Vargas (FGV) André Braz.

Como o IPCA de julho deu uma trégua e ficou estável em 0,01%, é possível que exista um espaço para permitir a recomposição dos preços nas distribuidoras de combustíveis. Ontem, ao comentar o desempenho da empresa divulgado na semana passada, a presidente da Petrobras, Graça Foster, reafirmou que busca a convergência de preços para o alcance das metas de endividamento.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.