• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

BNDES » Escassez de projetos de engenharia é desafio na área de infraestrutura

Agência Brasil

Publicação: 06/08/2014 20:21 Atualização:

A escassez de projetos de engenharia é, na avaliação do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, um dos grandes desafios na área de infraestrutura no Brasil. Foi o que disse hoje (6) durante palestra no seminário  Desafios da Gestão Pública no Brasil e nos Estados Unidos, promovido pela  Escola Brasileira de Administração Publica e de Empresas (Ebape), da Fundação Getulio Vargas.

"Nós enxergamos que o grande desafio é vencer a escassez de projetos. Temos que continuar trabalhando para  manter um curso de novos projetos, preparar a engenharia e mobilizar o financiamento  privado de longo prazo para compartilhar com o BNDES  a função de financiar o novo ciclo de investimento em infraestrutura", expôs Coutinho.

O presidente insistiu que a escassez de projetos que envolvam estudos de demanda, engenharia e análise econômico-financeira é um obstáculo aos investimentos em infraestrutura. O BNDES, informou, que está trabalhando intensamente para financiar o setor. "Não estamos parados, porém, sem descer à preparação dos projetos, você não os concretiza".

Coutinho reconheceu que a taxa de investimento no país subiu nos últimos anos, mas foi acompanhada pela queda de preços relativa de bens de capital, provocada, em parte, pela elevada concorrência internacional. O presidente disse que há uma percepção de que os investimentos em infraestrutura estão se expandindo  a uma velocidade superior à do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o que o faz acreditar que, nos próximos anos, o Brasil retomará  índices mais altos de investimento nessa área.

A mudança no quadro social  no Brasil nos últimos anos, com a migração de um elevado contingente de pessoas para a classe C, aumentou a demanda e a busca por investimentos em infraestrutura, em especial do setor privado. "É o reconhecimento que é preciso mobilizar o setor privado por meio de concessões e de parcerias público privadas [PPPs], para acelerar os investimentos em infraestrutura".

O BNDES  prevê que, no período 2014/2017, os investimentos na economia brasileira  alcançarão R$ 4,075 trilhões, mostrando taxa média de  crescimento de 5,1% ao ano. A estimativa se baseia em pesquisa divulgada pelo banco em junho passado. No quadriênio anterior, compreendido entre 2009/2012, os investimentos somaram R$ 3,172 trilhões. Para infraestrutura, estão previstos, até 2017, investimentos de R$ 575 bilhões, com média anual de crescimento de 6,1%. Os desembolsos do BNDES para o setor de infraestrutura totalizaram R$ 62,2 bilhões no ano passado.

Segundo Coutinho, isso significa que o BNDES precisará continuar a ser a grande âncora para suportar o aumento  dos investimentos em infraestrutura. "Não significa que a gente vá abandonar a participação do mercado", disse. Ele acrescentou que a grande vantagem de  financiar a infraestrutura por meio do setor privado é que o BNDES pode alavancar os projetos.

O presidente do BNDES salientou que para ajudar  diversos ministérios, "quando solicitado", o BNDES criou  uma área específica de estruturação de projetos, como os que estão em curso atualmente no segmento  de mobilidade urbana.  Ele reiterou que o Brasil tem de perseverar na estruturação de projetos "e na linha de que as  concessões e as PPPs são o melhor caminho para sairmos de 2,5% [de participação do investimento] no PIB e chegarmos  a 5% ou 5,5%".

Coutinho enfatizou que isso vai ajudar que a taxa agregada de investimento suba e viabilizar um salto de competitividade na economia brasileira que, hoje, tem uma logística "insuficiente e onerosa" do ponto de vista da competitividade e com baixa produtividade.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.