• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Consumo » Bolsas, sapatos... o luxo de segunda mão decola com a internet

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 04/08/2014 17:55 Atualização:

Bolsa de grife à venda em brechó online, é vista em Paris, em 30 de julho de 2014. Foto: © AFP/Arquivos/MATTHIEU ALEXANDRE (Bolsa de grife à venda em brechó online, é vista em Paris, em 30 de julho de 2014. Foto: © AFP/Arquivos/MATTHIEU ALEXANDRE)
Bolsa de grife à venda em brechó online, é vista em Paris, em 30 de julho de 2014. Foto: © AFP/Arquivos/MATTHIEU ALEXANDRE
Os sapatos de grife se empilham no armário. Os "stilettos" eram a paixão de seu ex, que a presenteava com um novo modelo a toda hora. Hoje, Sophie, 48, revende os pares na internet, onde floresce o comércio de artigos de luxo de segunda mão.

"Não faz sentido guardar 150 sapatos. Minha última venda foi um Louboutin que usei apenas uma noite, por 220 euros", conta. Um par novo custa cerca de 600 euros.

Em Estados Unidos, Europa e Ásia, o mercado de luxo de segunda mão na internet vai de vento em popa, já que o poder da web e das redes sociais catapultou o fenômeno, até então restrito a pontos de venda especializados. "Até o ano 2000, o mercado era totalmente físico. Depois, foi evoluindo para a internet", conta à AFP Delphine David, especialista da empresa Precepta.

Lançado em junho de 2011, o portal americano theRealReal.com teve um êxito fulgurante. Na Europa, a Grã-Bretanha e a França concentram o maior número de usuários, seguidas de longe pela Itália, diz a especialista da consultoria Bain & Company Claudia d'Arpizio.

"Acreditamos que o mercado de luxo de segunda mão mova 3 bilhões de euros no mundo, e 15 bilhões se forem contabilizados relógios e joias", assinala, contra os 217 bilhões de euros em 2013 do mercado tradicional de luxo.

"Aumenta rapidamente, principalmente na China, onde é uma forma de se ter acesso a bens sem viajar."

Na França, terra da Chanel, Dior, Louis Vuitton e Hermès, as principais plataformas da internet são Vide Dressing, Vestiaire Collective e Instant Luxe, todas lançadas em 2009.

O Vestiaire Collective nasceu de uma dupla constatação: "Os armários cheios, para os quais deveria se achar uma solução, e o fato de que, em plena crise, as blogueiras começavam a se tornar um sucesso de vendas", explica à AFP Fanny Moizant, fundadora do portal, em que a gigante do mercado editorial Condé Nast e o fundo Idinvest investiram.

"As mulheres são os principais compradores, desde a estudante até a colecionadora de meia-idade", diz Fanny. "Na Inglaterra, uma cliente gastou o equivalente a 185 mil euros em seis meses: compra e revende". A maior venda foi "uma bolsa de 35 mil euros".

Além do aspecto lúdico, "algumas clientes experimentam o novo universo como uma droga".

O antigo é mais caro do que o novo
Depois de 25 anos no marketing, Cécile, 46 anos, tornou-se uma compradora-vendedora profissional de artigos de luxo de segunda mão. Hoje, vende seu estoque em salões ou na internet, "inclusive no eBay, onde se encontram colecionadores muito exigentes", conta à AFP.

Dominique Chombert, do brechó de luxo online Instant Luxe, examina bolsas em seu escritório, em 30 de julho de 2014, em Paris. Foto: © AFP/MATTHIEU ALEXANDRE (Dominique Chombert, do brechó de luxo online Instant Luxe, examina bolsas em seu escritório, em 30 de julho de 2014, em Paris. Foto: © AFP/MATTHIEU ALEXANDRE)
Dominique Chombert, do brechó de luxo online Instant Luxe, examina bolsas em seu escritório, em 30 de julho de 2014, em Paris. Foto: © AFP/MATTHIEU ALEXANDRE
Ela adquire os produtos na internet, em leilões, ou "em atacadistas que compram de clientes riquíssimas". "É um negócio. Só me interessam as grandes marcas. Vendo muito Vuitton. Os artigos de mil euros esgotam-se na hora", conta Cécile.

Com sua empresa Larcher, ela vende "cerca de 150 peças por mês", a um total de 35 mil a 40 mil euros, com um lucro de "8.000 euros brutos".

Os portais são financiados por comissões que variam de 10% a 35%. O Vestiaire Collective gerou 27 milhões de euros em 2013 e espera dobrar esta cifra em 2014. O Vide Dressing gera um volume de negócios de cerca de 24 milhões desde 2012.

Na sede discreta do Instant Luxe, no centro de Paris, há uma pilha de bolsas de luxo sobre a mesa. Dominique Chombert as examina cuidadosamente, sob todos os ângulos. Faz perícias há 25 anos, principalmente para a casa de leilões Drouot.

Sua missão é detectar falsificações. "Menos de 1,5% dos produtos recebidos aqui são falsos. Eles são devolvidos imediatamente ao expedidor", diz Dominique.

"No começo, as marcas de luxo nos olhavam com desconfiança. Hoje, elas nos toleram, sabem que trabalhamos meticulosamente", conta o fundador do Instant Luxe, Yann Le Floc'h, 36.

Dominique Chombert manipula uma bolsa Birkin, da Hermès, de couro vermelho. "É verdadeira, está em excelente estado", certifica. "Vai ser vendida por um preço maior na internet, de segunda mão, do que na loja, já que o cliente paga pela rapidez. Não há lista de espera, o artigo está disponível imediatamente."

Mas essa não é a regra. "Normalmente, vendemos as bolsas de segunda mão de 15% a 60% mais barato", assinala Le Floc'h.

No Instant Luxe, a média é de 700 euros por venda. Presente nos mercados francês, inglês e italiano, o portal tentará conquistar o mercado chinês. Já o Vestiaire Collective acaba de ser lançado nos Estados Unidos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.