• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Investimentos » Brasil vira paraíso para especuladores e integra clube de mercados frágeis Ao lado de Índia, Indonésia, Turquia e África do Sul, Brasil integra o clube de cinco mercados frágeis, que premiam com bons lucros os investidores estrangeiros, graças às suas taxas de juros elevadas

Deco Bancillon - Correio Braziliense

Publicação: 03/08/2014 08:58 Atualização:

Apontados pelo mercado financeiro internacional como “os cinco frágeis”, Brasil, Índia, Indonésia, Turquia e África do Sul têm garantido lucros consistentes a um número cada vez maior de investidores estrangeiros. Em razão da desconfiança do resto do mundo, esses países passaram a nadar contra a maré ao oferecer prêmios de juros altíssimos num momento em que as taxas praticadas na maioria das economias avançadas beiram a zero.

O desespero do grupo, que acumula problemas em série nas contas públicas e externas, se transformou em ganho fácil para apostadores. Não por acaso, os cinco figuram entre os 10 ativos financeiros com melhor desempenho este ano, segundo levantamento do banco Merrill Lynch. O destaque da lista é a Indonésia, que ofereceu retorno de 30% aos investidores, seguida da Turquia (25%) e Índia (20,4%). O Brasil está em quarto lugar, com 15,2%, à frente da África do Sul (10%).

Em todos os casos, diz o professor Simão Davi Silber, da Universidade de São Paulo (USP), o retorno oferecido é proporcional ao risco de que os investidores encontram ao apostar nesses mercados. “Esses países tiveram desarranjos econômicos importantes e, em alguns casos, até políticos”, observa. Ele lembra que a Turquia começou a ter um governo mais fundamentalista e a Índia elegeu recentemente um novo primeiro ministro, de perfil heterodoxo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.