• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Negócios » Moda praia com uma pegada mais local Brasileiro é o povo que mais consome beachwear no mundo. Em Pernambuco, as empresas se destacam na criatividade e na variedade dos modelos

Lara Ximenes

Publicação: 03/08/2014 08:00 Atualização:

Marina da Fonte diz que a meta da Movimento é crescer 15% no ano e chegar a 100 funcionários. Foto: Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press
Marina da Fonte diz que a meta da Movimento é crescer 15% no ano e chegar a 100 funcionários. Foto: Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press

O Brasil é um país de belas praias e verão caloroso. Logo, não é surpresa termos o maior mercado de moda praia do mundo, movimentando US$ 1,5 bilhão por ano. A indústria de beachwear brasileira vem evoluindo há décadas, tornando-se referência no mercado internacional e uma das principais vertentes da economia nacional, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil (ABIT). Em Pernambuco, as pequenas empresas se destacam na criatividade e na variedade dos modelos, além de preços mais acessíveis devido ao baixo custo de produção.
 
A indústria de beachwear do estado está concentrada principalmente no Agreste do estado, mais especificamente em Santa Cruz do Capibaribe. Além da produção no interior, no Grande Recife também são produzidas peças a todo vapor, em empresas maiores, como a Movimento, a Rush Praia e a Corpo Seguro.

Pioneira no segmento em Pernambuco, a Movimento surgiu há 31 anos, quando a bailarina Tininha da Fonte lançou a marca para desenvolver figurinos da sua companhia de balé. Quando resolveu expandir os negócios para a moda praia, o sucesso tomou grandes proporções. Em 2002, a Movimento ganhou a passarela da São Paulo Fashion Week – maior evento de moda da América Latina.

Hoje, a marca tem seis lojas fixas em Pernambucano e filiais em Alagoas, Bahia e Rio grande do Norte. E uma rede de representantes que vende o produto para lojas multimarcas de todo Brasil. A Movimento também exporta desde 2004, tendo seus produtos vendidos para países como Chile, Austrália, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Indonésia, França, Itália, México e Portugal. Segundo Marina da Fonte, uma das sócias, a marca tem como objetivo crescer 15%, além de empregar em torno de 100 funcionários no estado.

Apaixonada pela praia e pelo mar, Shirley Vasconcelos iniciou, junto com suas filhas Louise e Catherine, a Rush Praia. Era 1996. “A qualidade do nosso produto foi o que nos fez mais forte”, diz Catherine. De um pequeno negócio em Olinda, a empresa agora tem uma loja virtual e mais duas lojas físicas, nos Aflitos e no RioMar Shopping. A Rush Praia também exporta para lojas nos Estados Unidos, para a Europa, a Austrália e a África do Sul, onde produziu recentemente um desfile.

A empresa também está de olho nas mídias sociais. “Elas são uma ferramenta importante porque trabalhamos com moda, algo essencialmente visual. Por isso alimentamos um blog e temos uma equipe que monitora diariamente nossos perfis nas redes”, explica Catherine. A marca emprega 60 funcionários e espera aumentar seus lucros em 15% no ano.

Do individual para o coletivo

Corpo Seguro, de Sílvia Verner, produz um biquíni a cada quatro minutos. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press
Corpo Seguro, de Sílvia Verner, produz um biquíni a cada quatro minutos. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press
Nos anos 1980, Sílvia Verner percebeu que costurar biquínis individualmente para clientes estava dando certo. Tão certo que poderia evoluir para um negócio maior. Assim surgiu, em 1989, a Corpo Seguro. Sílvia conta que, naquela época, a procura por moda praia no estado era maior que a oferta. Assim ela começou a explorar as tecidos que vinham do Agreste.

“Cada cliente minha possuía um desejo e um biotipo específico, que influenciava na escolha do biquíni. Observando essa dinâmica social, pude construir uma média do que mais era pedido e a partir de então começamos a produzir em massa”, afirma a empresária. Hoje, a Corpo Seguro produz, diariamente, mil peças e um biquíni a cada quatro minutos, além de empregar cerca de 100 funcionários.

A marca possui três segmentos de venda. O primeiro é a loja online. No atacado, a empresa possui 12 mil revendedoras cadastradas. Já no varejo tradicional, a Corpo Seguro conta com duas lojas físicas – no Shopping Tacaruna e no Shopping Boa Vista. Para o futuro, a marca pretende expandir esse segmento. Outras duas devem ser abertas ainda este ano, uma no Shopping Guararapes e outra na Galeria Move, no Janga.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.