• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Temores » Cenário argentino preocupa empresários da indústria brasileira

Publicação: 02/08/2014 08:12 Atualização:

Os empresários da indústria brasileira têm um motivo a mais para temer em 2014: além da retração da produção nas fábricas e da desaceleração do consumo das famílias, o que sinaliza menos encomendas no futuro, eles também passaram a observar, com cautela, o desfecho da negociação entre a Argentina e os chamados fundos abutres. Uma declaração de calote, como já parece ser inevitável em Buenos Aires, levaria a um cenário de restrição ainda maior de dólares no país vizinho, que já enfrenta dificuldades para atrair investidores, em função de uma inflação galopante, que ultrapassa os 25% ao ano e uma economia que já ensaia mergulhar numa recessão.

%u201CO cenário é preocupante%u201D, disse o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. A Argentina é um dos principais parceiros comerciais do Brasil. Em 2013, mesmo já em crise, o país correspondeu, sozinho, por 8,1% das exportações totais do Brasil. Este ano, essa participação caiu para 6,7%. Mas pode ficar abaixo de 5% caso o país, de fato, anuncie o calote da sua dívida externa.

%u201CMesmo que o default não seja oficializado, o estrago está feito porque todo mundo agora vai ter receio de vender para a Argentina. Além disso, o próprio governo deles deverá ser ainda mais duro com as importações, já que deve enfrentar mais dificuldades para atrair dólares em meio a uma crise de confiança%u201D, observou Castro.

A crise afeta, sobretudo, a indústria nacional, já que a Argentina é um dos principais compradores de produtos manufaturados brasileiros. %u201CDesde o ano passado, já começaram a aparecer alguns problemas deles. Agora, a situação está ainda pior, com esse iminente calote da dívida%u201D, reforçou o economista Rogério César de Souza, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi).

Levando em conta apenas produtos industrializados, a participação da Argentina sobre as exportações do Brasil era de 19,4% em 2013. Mas caiu para 17,3%, em junho. %u201CÉ um cenário bem ruim, que deverá tornar ainda mais difícil o ano para a indústria brasileira%u201D, observou Cristiano Oliveira, economista-chefe do Banco Fibra.

Apesar disso, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, repetiu ontem o discurso do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que o calote argentino não afetará o Brasil. %u201CNão há impacto importante sobre as relações financeiras%u201D, declarou. Para ele, o momento é de %u201Caguardar o desenrolar dos acontecimentos e ver se será possível uma solução%u201D. Questionado se o default alterava operações do BNDES na Argentina, repetiu: %u201CNão há impacto%u201D. (DB)

O juiz federal norte-americano Thomas Griesa pediu ontem que a Argentina e os fundos especulativos continuem buscando solução negociada para o impasse que levou o país a dar calote (default) parcial desde quinta-feira. %u201CVoltemos a trabalhar%u201D, convocou ele, rejeitando o pedido do governo da presidente Cristina Kirchner para mudar o mediador que acompanha o caso, Daniel Pollack, alegando perda de confiança após o fracasso das negociações travadas até a noite de quarta-feira. Griesa recusou o pedido argentino de uma medida cautelar que poderia ter evitado o default.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.