• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Crise inernacional » Primeiro-ministro francês diz que políticas econômicas da zona do euro 'não são eficazes'

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 01/08/2014 17:27 Atualização:

Valls lamentou, em particular, a ausência de uma política cambial e o fato de o Banco Central Europeu (BCE) ser 'impotente' diante da fraca inflação. Foto: © AFP/DOMINIQUE FAGET (Valls lamentou, em particular, a ausência de uma política cambial e o fato de o Banco Central Europeu (BCE) ser 'impotente' diante da fraca inflação. Foto: © AFP/DOMINIQUE FAGET)
Valls lamentou, em particular, a ausência de uma política cambial e o fato de o Banco Central Europeu (BCE) ser 'impotente' diante da fraca inflação. Foto: © AFP/DOMINIQUE FAGET
O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, afirmou nesta sexta-feira que "as políticas econômicas da zona euro não são eficazes" diante de um crescimento e de uma inflação menores do que o previsto, e alertou para o risco "real" de deflação.

Para Valls, que se pronunciou após a reunião do governo francês no palácio presidencial do Eliseu, "há uma certa tomada de consciência em relação às expectativas da população em termos de crescimento e emprego", mas criticou que ela se reflete "infelizmente com uma terrível lentidão nas ações".

Lamentou em particular "a ausência de uma política cambial" e o fato de o Banco Central Europeu (BCE) ser "impotente" diante da fraca inflação.

Valls fez a crítica em um momento em que a nova Comissão Europeia está sendo formanda e quando ainda há incerteza sobre o posto que será atribuído ao enviado da França em Bruxelas, o ex-ministro da Economia e Finanças Pierre Moscovici.

Há vários meses, Paris não manifestava críticas diretas à política europeia. Segundo todos os economistas e a própria Comissão, a França terá grandes dificuldades para reduzir no ano que vem seu déficit público a 3% do Produto Interno Bruto.

Mas o governo francês, que enfrenta um crescimento menor do que o previsto, parece decidido a voltar a atacar, com o foco sobretudo no BCE, cujas iniciativas para reanimar a atividade econômica havia elogiado.

"Sem dúvida (o BCE) precisa ir além", disse Valls na sexta-feira.

Para isso, a França espera contar com o apoio da Itália, que acaba de assumir por seis meses a presidência da União Europeia.

Em seu discurso, o primeiro-ministro francês enviou também uma mensagem à Alemanha, grande defensora da disciplina orçamentária.

"Não se trata de pedir algo aos europeus", disse sobre a trajetória orçamentária da França, reforçando que seu país já fez um "esforço colossal" de cortes, estimados em 50 bilhões de euros.

"Eu me recuso a anunciar um esforço suplementar", afirmou, dando a entender que a França não fará mais sacrifícios para voltar a qualquer custo aos 3% de déficit, meta imposta pelos tratados europeus.

Valls lembrou que "no início dos anos 2000, França e Alemanha pediram que a meta fosse prorrogada". Por outro lado, o primeiro-ministro acredita que o desemprego francês tenha alcançado um nível totalmente insuportável". No final de junho, o país registrava cerca de 3,4 milhões de desempregados.

Além do desemprego, Valls alertou sobre "o custo de vida, os problemas de moradia e a preocupação dos franceses com o seu futuro e o de seus filhos".

Existe "uma crise de confiança que devemos frear urgentemente", disse.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.