• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Espectrômetros » Caixa cria penhor 'express' de joias

Agência Estado

Publicação: 27/07/2014 11:54 Atualização:

A Caixa Econômica Federal quer ampliar a oferta de penhor e, para isso, vai trocar a avaliação de joias feita por funcionários por um serviço automatizado. Serão usados equipamentos chamados espectrômetros, que identificam, por fluorescência de raios X, as ligas metálicas das joias. Responsável por este tipo de financiamento há 80 anos, a Caixa espera mais que dobrar o número de agências que vão oferecer o produto aos clientes.

A meta é oferecer o penhor em mil agências até o fim de 2015. Hoje, o banco tem 4.117 agências e apenas 463 oferecem esse tipo de financiamento.

O penhor express será testado primeiro em quatro cidades do Estado de São Paulo (Barueri, Itaquaquecetuba, Taboão da Serra e Itapecerica da Serra) e duas do Rio de Janeiro (Belford Roxo e Queimados).

Ouro e prata. A Caixa penhora joias em ouro e prata, pérolas, diamantes, relógios, canetas e utensílios de prata. O valor de avaliação considera apenas o peso e a qualidade do material. Não são considerados para determinar o valor a ser emprestado o trabalho de um designer ou o valor sentimental de uma joia de família, por exemplo.

O banco empresta de 10% a 85% do valor de avaliação do bem. Apenas em casos muito especiais, de clientes que têm bom histórico de crédito, o empréstimo pode ser de até 130% do valor do bem.

Avaliadores de penhor. Édilo Valadares, diretor executivo de clientes e estratégia de varejo da Caixa, afirma que o objetivo não é substituir os avaliadores de penhor pelos espectrômetros, mas ampliar a oferta da linha em cidades que não contam com um desses funcionários. No Brasil, existem mil avaliadores de penhor. Esses servidores começam a carreira com outra função, por meio de concurso público, e passam a ser avaliadores depois de participar de um curso de formação, com aulas presenciais e a distância.

Os espectrômetros custaram, cada um, cerca de R$ 50 mil à Caixa. O banco estatal fez licitação para comprar os equipamentos da Anacom, representante no Brasil de uma fábrica americana que já vendia os equipamentos para o setor de mineração. Os equipamentos já são usados com a finalidade de penhorar joias nos EUA e na Europa. No primeiro lote, foram comprados 12 máquinas. Segundo Valadares, os testes mostraram 100% de eficiência dos espectrômetros para a mensuração dos metais nobres.

Mesmo assim, a Caixa colocou um limite para os empréstimos feitos a partir da análise dos espectrômetros: R$ 2.500. As joias serão, posteriormente, avaliadas por um profissional, que poderá atribuir novos valores, dependendo das características das peças e dos adornos que escapam ao equipamento. Se isso acontecer, o cliente terá direito a um novo limite de empréstimo. O teto para o penhor express foi definido a partir do tíquete médio dessa linha de financiamento: R$ 1.200.

O banco não informa quais cidades vão receber os novos aparelhos mas diz que todos os Estados serão contemplados e que a prioridade é que os espectrômetros cheguem em cidades do interior, uma vez que já há agências que oferecem penhor em todas as capitais.

Muitos consumidores têm sido atraídos pelas vantagens do penhor, como uma das menores taxas de juros da Caixa (1,93% ao mês) e a desburocratização para pegar o empréstimo - não é feita nenhuma avaliação de risco do crédito, uma vez que as joias ou outros bens são usados como garantia. É o caso da pensionista Maria Madalena Alves, de 69 anos, que deixou, pela quinta vez, o colar de ouro, herança de família, na penhora. O financiamento de pouco mais de R$ 4 mil será usado para quitar a dívida do filho, que está desempregado, em outro banco, com taxa bem mais salgada. "Sempre que as coisas apertam, trago a joia pra cá. Não posso usar esse colar na rua mesmo. Deixo aqui que é mais seguro", afirma.

De acordo com a Caixa, a carteira do penhor (volume de empréstimos feitos pelo banco, descontados os já pagos) alcançou R$ 1,6 bilhão no primeiro semestre deste ano. Em novas aplicações, foram R$ 600 milhões, 12% a mais do que o mesmo período do ano passado. No ano passado, a linha de crédito bateu o recorde de R$ 1,5 bilhão em carteira, gerando R$ 10,2 bilhões em aplicações. A previsão é que as aplicações cheguem a R$ 11,5 bilhões neste ano.

A modalidade tem um público fiel, formado principalmente por mulheres com mais de 50 anos. A inadimplência, porcentual de dívidas sem pagamento há mais de 90 dias, é baixo em relação a outras modalidades: apenas 0,4%. Apenas 0,8% das joias deixadas na Caixa vão a leilão porque os clientes não quitaram o empréstimo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.