• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Situação perigosa » Estados Unidos mantêm proibição de voos para Israel

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 23/07/2014 20:20 Atualização:

A Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos manteve nesta quarta-feira sua proibição aos voos das companhias aéreas americanas a partir ou em direção a Tel Aviv por mais 24 horas, devido à "situação potencialmente perigosa" em Israel e na Faixa de Gaza.

Na terça-feira, a agência havia proibido os voos após a queda de um foguete perto do aeroporto Ben Gurion de Tel Aviv. Dentro de 24 horas, o órgão vai rever a situação.

Após as pressões de Israel para a retirada desta proibição, a FAA indicou em um comunicado que "trabalha em estreita colaboração" com o governo israelense para "analisar e determinar se os riscos potenciais para a aviação civil americana diminuíram.

Antes desse anúncio da FAA, as principais companhias aéreas dos Estados Unidos já tinham informado que evitariam o espaço aéreo israelense pelo segundo dia consecutivo.

A Delta Airlines informou que seus voos a partir do aeroporto John F. Kennedy de Nova York para Tel Aviv permaneceriam suspensos até novo aviso.

A United Airlines indicou em uma troca de tuítes com a AFP que seus "voos permanecem suspensos até a última ordem", enquanto a US Airways havia indicado anteriormente que esperava poder retomar seus voos a partir da Filadélfia em direção a Tel Aviv na quinta-feira.

Já a Agência Europeia para a Segurança Aérea (EASA) indicou à AFP na terça que recomendaria às empresas europeias que evitassem o aeroporto internacional de Tel Aviv.

Muitas empresas não esperaram as recomendações. As duas maiores companhias aéreas alemãs, Lufthansa e Air Berlin, informaram o cancelamento de seus voos programados para quinta-feira.

A mesma decisão foi tomada por Air France, Brussels Airlines, EasyJet, Air Canada, Finnair, Iberia, LOT e SAS.

Já a russa Aeroflot e a romena TAROM anunciaram a retomada seus voos nesta quarta, após o cancelamento de terça-feira. A companhia israelense El Al aumentou o número de voos para tentar suprir a demanda de viajantes que desejam ir a Israel, mas estão com dificuldades por causa dos cancelamentos.

O secretário de Estado americano, John Kerry, assegurou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que a proibição de voos foi motivada exclusivamente por razões de segurança, e não para pressionar Israel.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.