• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Seleção pública » BNDES aprova 35 planos de negócio para o setor sucroenergético

Agência Brasil

Publicação: 17/07/2014 18:20 Atualização:

Trinta e cinco planos de negócio de 29 empresas, que representam demanda de R$ 1,9 bilhão, foram aprovados na seleção pública de propostas voltadas à inovação tecnológica no setor sucroenergético do Plano de Ação Conjunta Paiss Agrícola. O plano é apoiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pela Finep Inovação e Pesquisa, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. O resultado da seleção foi anunciado hoje (17) pelo banco.

O valor da demanda supera em cerca de 30% o orçamento original do Paiss Agrícola disponibilizado pelo BNDES e pela Finep, que alcança R$ 1,48 bilhão para o período 2014-2018. Desse total, R$ 80 milhões são recursos não reembolsáveis, sendo R$ 40 milhões por meio do Fundo Tecnológico - BNDES Funtec e R$ 40 milhões de subvenção econômica pela Finep.

A assessoria de imprensa do BNDES informou que os planos de negócio aprovados englobam 126 projetos inovadores inseridos nas cadeias produtivas da cana-de-açúcar ou de outras culturas ligadas ao sistema agroindustrial do setor sucroenergético.

A previsão é que os primeiros desembolsos do Paiss Agrícola ocorram ainda este ano. O plano visa a impulsionar o desenvolvimento de novas tecnologias que elevem a eficiência do setor, resultando em  maiores ganhos de produtividade no médio e longo prazo.

Segundo o BNDES, se o ganho anual de produtividade da cana, que hoje é inferior a 1%, aumentar para 3%, será possível adicionar cerca de 12 bilhões de litros de etanol até o início da próxima década. De acordo com o banco, isso equivaleria a um aumento de mais de 40% em relação à produção atual de etanol.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.