• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Reunião de cúpula » Para Morales, banco dos Brics acabará com neocolonialismo

Agência Estado

Publicação: 16/07/2014 19:56 Atualização:

Ao comentar a criação do banco do Brics, o presidente da Bolívia Evo Morales, afirmou nesta quarta-feira (16) que o mundo necessitava de uma nova organização mundial financeira. Segundo ele, o que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial faziam "era como chantagear o governo, como submeter o governo a um marco de uma política neoliberal". "Estou certo que no futuro esse novo banco de desenvolvimento acabará com as políticas de neoliberalismo e neocolonialismo", afirmou, ao deixar a reunião de cúpula do Brics e países da América do Sul, que aconteceu no Palácio do Itamaraty.

O presidente do Uruguai, José Mujica, mostrou-se reticente sobre o início da atuação do Banco do Brics, criado ontem em Fortaleza durante cúpula do bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. "Os bancos são uma vaca que come muito até começar dar leite. Pode ser que em 2016, 2017 tenha algo, mas é bom", afirmou, ao sair da segunda parte da cúpula, em Brasília.

Quando questionado se a nova instituição financeira seria uma alternativa ao Banco Mundial, Mujica disse considerar a atuação das duas instituições complementares. "Acredito que quanto mais alternativas, melhor. O mundo financeiro é imprevisível, e a insegurança e volatilidade atuais são terríveis", afirmou.

O presidente do Uruguai criticou a necessidade de acumulação de reservas internacionais como "colchão" para reagir a crises financeiras. "Meu país é muito pequeno, tem um PIB de US$ 50 bilhões e uma reserva de US$ 18 bilhões. Isso é um disparate! Por que temos isso?", questionou. "Porque amanhã podemos ter um desastre e precisamos de uma lona para nos cobrir. Por isso, temos esse capital parado", respondeu.

Sobre a reestruturação da dívida argentina, afirmou que é preciso criar outro mecanismo para tratar do assunto. "Querem comer um pedaço de uma vaca morta", afirmou, completando que sabia de cor o discurso que Cristina Kirchner fez no encontro de hoje. "Já ouvi três ou quatro vezes", afirmou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.