• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Setor elétrico » Risco de déficit de energia no Sudeste e no Centro-Oeste cai a zero

Agência Estado

Publicação: 10/07/2014 18:19 Atualização:

O risco de desabastecimento de energia elétrica nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste neste ano caiu de 2,5% em junho para zero em julho, segundo nota divulgada pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), grupo coordenado pelo Ministério de Minas e Energia. No Nordeste, o risco de déficit continua zero.

Esse porcentual considera a série história de informações climáticas utilizadas no Programa Mensal da Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema (ONS), que tem 81 anos. Segundo o documento distribuído pelo CMSE, houve melhora nas condições de suprimento de energia no País e o abastecimento em 2014 está garantido. O documento ressalta ainda a importância do parque de usinas térmicas disponível no País

Considerando a série sintética, com dois mil cenários derivados da série histórica, o risco nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste caiu de 4,8% para 1,7%, e no Nordeste, recuou de 1,3% para 0,6%.

Para o período entre 2015 e 2018, o risco de falta de energia nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste permaneceu em 4%. No Nordeste esse risco permaneceu em 0,4%. O risco estaria dentro do planejamento, pois continua abaixo do 5% toleráveis pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Na nota, o CMSE reiterou que há uma sobra de energia de 5.500 MW médios para atender ao consumo previsto no País. Segundo o documento, chuvas bem acima da média em junho nas bacias do Iguaçu, Uruguai e Jacuí contribuíram para reduzir o risco de falta de energia. Os reservatórios das usinas dessas bacias e de Itaipu estão "praticamente em seus armazenamentos máximos".

As afluências - quantidade de água que chega aos reservatórios das hidrelétricas - ficaram 423% acima da média na Região Sul e 102% acima da média na Região Sudeste/Centro-Oeste. Na região Norte, as afluências atingiram 89% da média, e no Nordeste, apenas 42%.

"O aumento de temperatura do Oceano Pacífico e os ventos nos baixos e altos níveis da atmosfera observados nesse período indicam o estabelecimento do fenômeno El Niño, de intensidade moderada, implicando na continuidade das precipitações da Região Sul com valores normais ou superiores à média histórica", diz a nota.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.