• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Economia doméstica » É difícil retirar a intervenção no câmbio, diz China

Agência Estado

Publicação: 09/07/2014 09:30 Atualização:

O ministro de Finanças da China, Lou Jiwei, disse que Pequim precisa continuar a intervir no mercado de câmbio porque a economia doméstica ainda está se recuperando e os fluxos de capital se mantém voláteis.

Perguntado em uma entrevista coletiva à margem do Diálogo Estratégico e Econômico sobre o impacto da redução gradual de estímulo nos EUA, Lou indicou que o governo norte-americano pediu que a China pare de intervir no mercado de câmbio. "A resposta da China é que, tendo em vista que a recuperação econômica da China não está sólida e os fluxos de capital ainda estão instáveis, não podemos fazer isso", afirmou o dirigente. Para ele, é muito difícil retirar a intervenção no câmbio.

Um funcionário do Ministério das Finanças disse à agência de notícias Market News International, quando exigido para esclarecer as falas do ministro, que "quando os fluxos de capital transfronteiriços forem anormais, o governo ainda vai intervir".

Lou também disse nesta quarta-feira (9) que o mundo deve olhar para os EUA, em vez da China, na busca por um motor na recuperação econômica global, porque a prioridade do governo chinês é a reforma da estrutura econômica.

O ministro afirmou que o governo chinês espera que a recuperação econômica dos EUA se mantenham em um bom momento e pediu um aumento das taxas de poupança das famílias norte-americanas.

Ele disse que a economia da China está em um "intervalo razoável", enquanto o governo tem evitado recorrer ao tipo de políticas de estímulo de curto prazo, que foram usadas durante a crise financeira global.

Lou repetiu que a meta do governo para o crescimento deste ano é em torno de 7,5%. Esse objetivo não é um piso, alertou Lou, apesar de postos de trabalho e a inflação, em vez de qualquer meta de crescimento, serem fatores mais importantes.

China fez "grande" progresso em termos de reforma, disse Lou, ao acrescentar que o crescimento econômico não tem sido prejudicado por medidas anti-corrupção do governo.

Lou se reuniu hoje com altos funcionários do governo dos EUA, incluindo o secretário do Tesouro, Jacob Lew, e a presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, para as negociações que estão sendo realizadas na China. Ele disse que a China e os EUA acordaram nas negociações sobre a necessidade de uma saída ordenada de políticas de relaxamento quantitativo do Federal Reserve, mas reconheceu que o processo de redução gradual de compras de ativos afetará economias emergentes, incluindo a China.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.