• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

FGV » Recuos no atacado explicam erro em previsões do IGP-M

Agência Estado

Publicação: 27/06/2014 11:30 Atualização:

O recuo mais forte nos preços do atacado de maio para junho foi o responsável pelo desvio nas expectativas do mercado para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) do sexto mês do ano, conforme economistas consultados pelo AE Projeções. Segundo eles a queda de 0,74% do IGP-M de junho (de -0,13% em maio) apurada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) pode ter atingido o limite este mês e a tendência é de baixas menos significativas nos próximos IGPs. O resultado do IGP-M ficou fora do intervalo das estimativas das 35 instituições do mercado que participaram do levantamento do serviço especializado do Broadcast, de queda de 0,50% a 0,67%, com mediana negativa de 0,60%.

Segundo os analistas, a deflação tanto do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) Agropecuário como do IPA Industrial surpreenderam. Os subíndices, que apuram os preços no atacado, tiveram baixas de 3,73% (de -0,68% em maio) e de 0,55% (de -0 64% em maio). O IPA cheio, por sua vez, teve declínio de 1,44%, após retração de 0,65%.

Para o economista Étore Sanchez, da LCA Consultores, que previa deflação de 0,66% para o IGP-M do sexto mês do ano, o IPA Industrial apresentou um recuo mais intenso, de 0,55%, que o esperado por ele, de 0,42%. "Foi por causa dos minerais metálicos", justificou. Os produtos metálicos tiveram retração de 4,65%, enquanto a LCA projetava uma baixa de 4,22%. "Tem ainda um pouco de reflexo de alimentos e bebidas, cuja queda de 0,13% veio aquém do que esperávamos (alta de 0,30%)", completou Sanchez.

Sanchez também admite que não contava com quedas mais expressivas de alguns alimentos ao produtor, principalmente do milho e do tomate, que cederam 8,88% e 28%, respectivamente. A expectativa do economista para o cereal era declínio de 8,40% e de baixa de 25% para o tomate. "No geral, o IPA Agro intensificou a deflação por conta das quedas de milho, trigo, feijão, batata-inglesa, mandioca, tomate, abacaxi, algodão, cana-de-açúcar, uva, café, laranja, leite in natura, ovos, suínos e aves", disse. "Alguns relatórios têm mostrado um cenário positivo para a safra de milho e os preços estão caindo. Já quanto ao tomate, é recomposição da oferta, e a transmissão do atacado para o varejo é praticamente instantânea", explicou.

O economista-chefe do Banco ABC Brasil, Luis Otávio de Souza Leal, que projetava recuo de 0,56% para o IGP-M de junho, conta que não houve nenhuma surpresa em temos de tendência do dado, mas disse que a deflação dos produtos agrícolas e dos preços industriais vieram um pouco mais acentuadas do que o esperado. "Em relação aos alimentos (ao produtor), a margem de erro é menor, pois temos as coletas. Já quanto aos industriais é um pouco mais difícil de projetar. Como os dois vieram negativos, um não consegue compensar o outro, o que acaba reforçando a queda", disse.

Os economistas acreditam que o próximo IGP a ser divulgado, que é o IGP-DI de junho, na terça-feira que vem (8), deve mostrar um resultado parecido com o do IGP-M do sexto mês de 2014, mas a tendência é de quedas cada vez menos intensas. "Atingiu a mínima no IGP-M", disse Etore Sanchez da LCA. "Pelas coletas acho que a queda vai perder força. Talvez o IGP-DI tenha uma taxa parecida com a do IGP-M", reforçou Souza Leal, do ABC Brasil.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.