• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Revisão » PIB dos EUA no 1º trimestre de 2014 é revisado para -2,9%

Agência Estado

Publicação: 25/06/2014 10:57 Atualização:

A economia dos EUA teve uma contração pior do que estimada anteriormente no primeiro trimestre, marcando o resultado negativo mais acentuado desde que a recessão acabou no país há cinco anos. O Produto Interno Bruto (PIB), a medida mas ampla de bens e serviços produzidos em uma economia, teve uma contração a uma taxa anual sazonalmente ajustada de 2,9% nos três primeiros meses do ano, de acordo com a terceira estimativa publicada pelo Departamento do Comércio. Esta foi a maior queda desde o primeiro trimestre de 2009, quando a atividade recuou 5,9%.

O Departamento do Comércio havia estimado na leitura anterior que o PIB havia caído 1,0% no primeiro trimestre, tendo em vista que as indústrias manufatureiras reduziram estoques, em vez de produzir novos bens. Além disso, o clima severo do inverno nos EUA manteve os consumidores dentro casa e levou ao fechamento temporário de alguns locais de trabalho. As exportações também caíram após um aumento no ano passado. Na primeira estimativa, o PIB dos EUA foi mostrado com crescimento de 0,1%.

Na terceira leitura do dado, com base em novos números disponíveis, o Departamento do Comércio informou que, no primeiro trimestre, os gastos dos consumidores e as exportações ficaram ainda mais fracas do que o estimado anteriormente. Economistas consultados pelo The Wall Street Journal haviam previsto que o PIB seria revisado para uma queda menor, de 2,0%.

A contração da economia nos primeiros três meses do ano frustrou mais uma vez, a esperança de que a recuperação estava ganhando tração. Os primeiros dados do segundo trimestre, porém, indicam que a economia melhorou na primavera norte-americana, uma vez que o clima mais quente ajudou a liberar parte da demanda reprimida. A Macroeconomic Advisers previu recentemente que a economia vai crescer a uma taxa anual de 3,6% no período de abril a junho.

Mas a profundidade do declínio no primeiro trimestre na produção significa que o crescimento ao longo dos primeiros seis meses do ano, provavelmente, ficará aquém da taxa média de expansão da economia, de pouco mais de 2%, observada desde que os EUA saíram da recessão em junho de 2009. Isso está abaixo da taxa de crescimento de longo prazo dos EUA, de pouco mais de 3%.

Em cinco anos de recuperação, a alta taxa de desemprego e a renda estagnada continuam a restringir os gastos dos consumidores, que respondem por mais de dois terços da produção econômica dos EUA. Os gastos dos consumidores cresceram num ritmo de 1% no primeiro trimestre, revisado para baixo em relação à estimativa anterior, de alta de 3,1%. O Departamento do Comércio informou que a revisão para baixo ocorreu principalmente devido a gastos mais fracos com saúde, embora também tenha revisado para baixo a estimativa de gastos com bens.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.