• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Proposta » Austrália votará novamente sobre imposto do carbono

Agência Estado

Publicação: 23/06/2014 08:38 Atualização:

O primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, reintroduziu uma proposta no Parlamento para revogar um imposto sobre o carbono que os principais poluidores de gases do efeito estufa têm que pagar.

Em março, o Partido Trabalhista Australiano e os Verdes Australianos bloquearam o texto, que removeria a taxa de 22,15 dólares australianos (US$ 22,79) por tonelada de dióxido de carbono.

Na época, a nova legislação foi derrotada por 33 votos contra e 29 a favor. No entanto, com novos senadores assumindo em 7 de julho, a expectativa é de que o texto seja aprovado por uma pequena margem.

Abbott justificou a reintrodução ao dizer que a população negou o imposto quando elegeu seu governo, em setembro do ano passado. "O povo falou e agora depende do Parlamento mostrar que está ouvindo", afirmou.

O primeiro-ministro afirmou que o fim do imposto reduziria a conta de eletricidade às famílias em 200 dólares australianos por ano, e a de gás natural em 70 dólares australianos por ano. Os australianos de renda mais baixa, que têm recebido uma parte da receita do imposto como compensação pelos preços mais elevados, continuariam a receber o benefício mesmo após o fim do imposto.

A proposta deve ser aprovada na Câmara dos Representantes nesta semana, e então encaminhada ao Senado no próximo mês.

Abbott planeja substituir o imposto por um fundo de 2,55 bilhões de dólares australianos, pago pelos contribuintes, para incentivar o uso de energia limpa. A Austrália é um dos maiores emissores de gases de efeito estufa em uma base per capita, devido à forte dependência do país nas reservas de carvão para gerar energia.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.