• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

América do Sul » Kirchner afirma que Argentina quer pagar, mas 'não aceita extorsão'

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 17/06/2014 16:01 Atualização:

A Argentina sempre teve "vocação de pagar" seus credores e não entrará em "default", mas também não aceitará "extorsões", disse nesta segunda-feira a presidente Cristina Kirchner em sua primeira reação após a Suprema Corte dos Estados Unidos confirmar um pagamento bilionário a fundos especulativos.

"A Argentina tem demonstrado mais que uma evidente vontade de pagar, mas há uma diferença entre  negociação e extorsão", disse Kirchner em rede nacional ao criticar a decisão do Supremo americano, que derrubou a Bolsa de Buenos Aires em 10,09%.

Kirchner destacou que a medida também afeta o "sistema econômico e financeiro global" e ignora os apelos dos governos de Brasil, França e México, entre outros, assim como o de "mais de 100 parlamentares britânicos", que apoiam a posição argentina.

"A Argentina não vai deixar de pagar sua dívida reestruturada (...), nossa vocação é pagar, o que já demonstramos pagando todos os juros sem recorrer ao mercado de capitais".

A Suprema Corte dos Estados Unidos anunciou nesta segunda que rejeita a apelação apresentada pela Argentina no caso contra fundos especulativos.

Na prática, a decisão da corte confirma a condenação adotada por um tribunal de Nova York em favor dos fundos especulativos NML Capital e Aurelius, que se negaram a se unir às reestruturações da dívida soberana argentina de 2005 e 2010.

A decisão obriga o país a pagar o total de 1,33 bilhão de dólares ao NML Capital e ao Aurelius.

Segundo Kirchner, a decisão do Supremo americano "contraria os interesses de 92% dos credores da dívida", que aceitaram a reestruturação dos pagamentos em 2005 e 2010.

Kirchner lembrou que se "todos (os credores) recorressem isto significaria pagar 15 bilhões de dólares, mais que o total das reservas do Banco Central, o que é um absurdo...".

Para alguns analistas, a mensagem de Kirchner deixa aberta a porta para uma eventual negociação sobre o pagamento decretado pelo Supremo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.