• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Crowdfunding » A Bomba está bombando Projetos do bairro da Bomba do Hemetério estão ganhando força através do financiamento colaborativo

Thatiana Pimentel

Publicação: 15/06/2014 08:00 Atualização: 13/06/2014 20:57

Raiane Conceição, 21, começou a fazer tiaras e fivelas customizadas no ensino médio. Ela fez um vídeo, colocou o material no portal e conseguiu R$ 1,2 mil em três meses. Está expandindo o negócio. Foto: Paulo Paiva
Raiane Conceição, 21, começou a fazer tiaras e fivelas customizadas no ensino médio. Ela fez um vídeo, colocou o material no portal e conseguiu R$ 1,2 mil em três meses. Está expandindo o negócio. Foto: Paulo Paiva
Os empreendimentos do bairro da Bomba do Hemetério, Zona Norte do Recife, estão ganhando força com um canal de financiamento colaborativo online, o Bombando Cidadania, na plataforma Impulso. Cinco projetos já conseguiram apoio e mais empreendedores estão tentando essa nova forma de alavancar os negócios. O financiamento vem de doadores que querem ver o bairro crescer e acreditam em uma economia mais solidária.

Os projetos que conseguiram apoio foram a sede do Balé Bacnaré, o salão Cia da Beleza, a fábrica de chocolate Criarte, a empresa de roadie Cleones (responsável pela montagem do palco em shows) e a Botão de Flor, empreendimento de acessórios femininos. Este último pertence à Raiane Conceição, de 21 anos, que começou a fazer tiaras e fivelas customizadas no ensino médio.

“Queria fazer um desfile, mas não tinha como levantar o dinheiro. Nessa época, o pessoal do Instituto Aliança, que é quem produziu o site, entrou em contato comigo. Vi que eles acreditavam e isso me deu mais força”, conta Raiane. Ela fez um vídeo, colocou o material no portal e conseguiu R$ 1,2 mil em três meses.

O mesmo valor também ajudou a cabeleireira Silvia Moura a não fechar as portas do seu salão. Antes de descobrir que poderia usar o crowdfunding para melhorar o negócio, Silvia tinha dúvidas se continuaria na profissão. “Eu abri um salão em sociedade, mas não deu certo e meu sócio levou tudo. Consegui comprar os produtos para voltar a trabalhar, mas nem porta meu salão tinha. Coloquei o vídeo sem acreditar. Quando me disseram que eu tinha conseguido, fiquei em choque. A gente nunca acha que vai acontecer com a gente. Agora, comprei uma porta de vidro e vou colocar um ar-condicionado no salão”, comemora. 

Adriana Franco, consultora do Instituto Walmart, explica que a plataforma começou com uma parceria entre o instituto e a Aliança, uma organização sem fins lucrativos. “Nós já vínhamos trabalhando com microcrédito aqui na Bomba, mas percebemos que isso não daria autonomia aos empreendedores locais. Quando a Aliança surgiu com a ideia do crowdfunding, há oito meses, foi o casamento perfeito. Eles construíram o site e a logística de repasse de dinheiro. Nós demos o investimento inicial. Dos R$ 14 mil investidos, já recebemos em troca R$ 17 mil. Foi uma metodologia que deu certo”, detalha.

Novos projetos já estão buscando financiamento no canal. É o caso de Jader de Lima, morador local que trabalha com eletrônica e desenvolveu sua própria forma de divulgar serviços utilizando uma bicicleta de som. A Anuncicleta quer crescer e tem dois meses para mobilizar recursos por meio do site.

Há cinco anos nessa função, Jader faz a publicidade de projetos sociais e comerciais na Bomba do Hemetério e adjacências. A divulgação através da Anuncicleta tem o valor de R$ 20 a hora. Hoje, o empreendedor encontra obstáculos em seu trabalho. A comunidade possui muitas ladeiras que dificultam a passagem da bicicleta, impedindo que a divulgação alcance um maior número de pessoas no local. “Se eu conseguir R$ 3 mil, comprei uma moto. Assim, posso expandir minha área de atuação e anunciar os comerciantes da Bomba em outros bairros. Vai ser bom para todo mundo.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.