• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Terreno favorável » Vice-presidente da Comissão Europeia elogia nova política da Argentina

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 14/06/2014 14:48 Atualização:

O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, durante reunião na sede do FMI, em Washington, em 10 de abril © AFP/Arquivos Mandel Ngan
O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, durante reunião na sede do FMI, em Washington, em 10 de abril © AFP/Arquivos Mandel Ngan
Buenos Aires (AFP) - A Argentina, que indenizou a petrolífera espanhola Repsol após ter nacionalizado sua filial YPF, volta a ser um terreno favorável para os investimentos, afirmou nesta sexta-feira (13) o vice-presidente da Comissão Europeia, Antonio Tajani.

A expropiação em 2012 da petrolífera YPF esfriou a relação com os europeus e colocou em dúvida a segurança dos investimentos na terceira economia da América do Sul.

"A Repsol é passado, depois do acerto (com a empresa espanhola), após o acordo com o Clube de Paris, a situação é muito positiva. As empresas europeias tinham medo de fazer negócios na Argentina, agora não têm mais medo, por isso estamos aqui", declarou Tajani, que também é comissário europeu para a Indústria.

Em maio, a Argentina fechou primeiro um acerto com a Repsol, ao entregar à empresa bônus de mais de 5 bilhões de dólares, que a companhia espanhola  vendeu imediatamente. Depois, chegou a um acordo com o Clube de Paris para liquidar atrasos de sua dívida pelo valor de 9,7 bilhões de dólares e retomar os pagamentos.

"Para nós, houve uma mudança da política. Nossa presença (em Buenos Aires) é uma resposta a essa mudança", destacou Tajani em uma conversa com jornalistas em Buenos Aires.

Uma delegação de altos funcionários e empresários europeus conduzida por Tajani visita a América Latina nesta semana. Depois de Panamá e Argentina, continuará sua missão no Paraguai.

A União Europeia e o Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela) negociam há anos um acordo comercial, que está bloqueado devido a desacordos no interior do bloco sul-americano, em particular com o governo argentino.

"Vamos fazer o acordo, quando o Mercosul fizer uma proposta", disse o funcionário europeu. A União Europeia é a primeira investidora estrangeira e o segundo parceiro comercial da Argentina.

Após ter se mostrado desafiadora a instituições financeiras internacionais e ao ambiente de negócios, a Argentina baixou o tom pelo desejo de voltar a pegar empréstimos nos mercados de capitais.

Os recentes acordos com a Repsol e com o Clube de Paris, a desvalorização do peso argentino em janeiro, a divulgação de estatísticas econômicas verossímeis a pedido do FMI e medidas direcionadas para a redução do déficit orçamentário, como a diminuição dos subsídios, são considerados sinais positivos por potenciais investidores.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.