• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

China diz que acúmulo de reservas deve desacelerar

Agência Estado

Publicação: 12/06/2014 08:24 Atualização:

O ritmo de acumulação das reservas cambiais da China deve desacelerar, disse a Administração Estatal de Câmbio Externo (SAFE, na sigla em inglês).

Em uma apresentação online, os funcionários da SAFE Guan Tao e Huang Guobo disseram que o superávit em conta corrente e o investimento estrangeiro direto direcionaram a acumulação de reservas nos últimos anos, mas agora o ritmo deve desacelerar gradualmente.

As reservas da China subiram de US$ 711 bilhões antes de o regime de câmbio fixo em relação ao dólar ser desfeito, em julho de 2005, para algo próximo a US$ 4 trilhões no fim do primeiro trimestre deste ano. Esse aumento foi atribuído à enorme intervenção por Pequim para artificialmente sufocar o valor do yuan em relação a outros países, apesar dos comentários públicos do governo chinês de que está comprometido com uma reforma cambial.

O governo tem promovido o enfraquecimento do yuan desde meados de fevereiro, na tentativa de afastar os especuladores antes de ampliar a banda cambial, em março. Desde então, a moeda tende ao lado mais fraco da taxa de paridade central. Guan afirmou hoje que esse movimento tem ajudado a desencorajar as apostas especulativas e frear a arbitragem.

O funcionário da SAFE afirmou que a taxa de câmbio continuará a desempenhar um papel relevante no ajuste do balanço de pagamentos da China. Huang complementou que é importante acelerar a flexibilidade cambial e aumentar a atratividade dos ativos que não são denominados em yuan.

Embora grandes reservas cambiais criem riscos ao balanço do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) e aumentam a pressão inflacionária, os funcionários do órgão regulador indicaram que o país continuará a manter uma relativamente grande pilha de reservas cambiais. Eles argumentaram que isso aumenta a confiança nos sistemas econômico e financeiro e ajuda a proteger a taxa de câmbio.

Eles também responderam questões sobre a transparência do gerenciamento das reservas e o papel que o ouro representa na diversificação. Os reguladores explicaram que muita clareza sobre como as reservas estão alocadas pode criar volatilidade no mercado e repetiu a visão da Safe de que o mercado de ouro é muito pequeno para satisfazer as necessidades da China e garantir um portfólio diversificado.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.