• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Pirataria » Venda de CDs originais resiste a tentação do mundo virtual

Mirella Falcão - Diario de Pernambuco

Publicação: 01/06/2014 11:13 Atualização: 01/06/2014 20:00

Vendas do segmento ainda são um negócio importante dentro das lojas de departamento e grandes livrarias. Foto: Débora Rosa / Esp. DP/ DA Press
Vendas do segmento ainda são um negócio importante dentro das lojas de departamento e grandes livrarias. Foto: Débora Rosa / Esp. DP/ DA Press
A carrocinha de CDs piratas. Os sites para baixar músicas grátis na internet ou aqueles de compra pelo download da canção, no caso dos que fazem questão de contribuir com o artista. No mundo real ou virtual, não faltam opções para deixar de lado o CD original. Apesar disso, há consumidores que ainda procuram o produto, fazendo com que as vendas do segmento ainda sejam um negócio importante dentro das lojas de departamento e grandes livrarias.

Para a servidora pública Flávia Rocha, 32 anos, que também compra músicas online em canais como o iTunes, o encarte é o grande diferencial do CD original. “Eu gosto muito de música. Sempre observo a letra, quem fez a canção, onde foi gravada, quais os instrumentos utilizados. Essas informações não estão no lançamento digital. Por isso ainda compro o CD.”

Relançamentos, edições limitadas, coletâneas e novos álbuns de artistas que Flávia gosta ganham sempre a preferência pelo CD. “Compro de quem eu sou fã. Um dos meus gêneros favoritos é a música pop sueca. E não importa o preço. Recentemente, gastei R$ 200 em um box importado com quatro discos.”

“Para o fã, o álbum pode estar de graça na internet, mas ele ainda vai querer o CD. É uma forma dele ter um pedacinho do artista com ele. Gostam de colecionar”, explica José Pereira, vendedor líder do setor de música da Saraiva MegaStore . “O mercado não é o mesmo de 15 anos atrás. Sofreu um abalo pela pirataria e pela internet, mas hoje ele se estabilizou e é mantido por um grupo de consumidores que ainda gosta de comprar o CD”, comenta João Paulo Bueno, analista de negócios na categoria música da Livraria Cultura.

“As próprias gravadoras passaram a criar produtos mais acessíveis, como o EP, que tem menos músicas e custa entre R$ 9,90 e R$ 12,90. Vende muito”, acrescenta Pereira, da Saraiva. Nas duas redes, os álbuns de MPB e de pop internacional estão entre os gêneros mais vendidos. Em datas comemorativas, como Natal, Dia das Mães e Namorados, cresce a procura.
As vendas do item podem chegar a 20% das vendas totais das grandes livrarias, caso da Saraiva MegaStore. O Recife está entre as capitais que mais compram CDs. “A loja do Bairro do Recife é a terceira que mais vende CDs no país. Só fica atrás da loja da Avenida Paulista e da nossa filial de Porto Alegre”, diz João Bueno.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.