• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Venezuela » Vice-presidente Rafael Ramírez promete pagar bilhões em dívidas

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 30/05/2014 20:28 Atualização: 30/05/2014 20:35

As reservas do Banco Central Venezuelano foram reduzidas a um terço durante 2013, ao caírem de 30 para pouco mais de 20 bilhões de dólares. Foto: © AFP JUAN BARRETO (As reservas do Banco Central Venezuelano foram reduzidas a um terço durante 2013, ao caírem de 30 para pouco mais de 20 bilhões de dólares. Foto: © AFP JUAN BARRETO)
As reservas do Banco Central Venezuelano foram reduzidas a um terço durante 2013, ao caírem de 30 para pouco mais de 20 bilhões de dólares. Foto: © AFP JUAN BARRETO
O governo venezuelano pagará mais de 2,1 bilhões de dólares a importadores e empresas estrangeiras, anunciou o vice-presidente econômico Rafael Ramírez.

A Venezuela atravessa um crítico problema de desabastecimento em razão das dívidas com importadores e prestadores de serviços avaliadas em 14 bilhões de dólares.

Ramírez afirmou em coletiva de imprensa que na semana que vem serão pagos 1,188 bilhão de dólares em dívidas de 2012 e 2013 a 939 empresas de setores prioritários. "Decidimos pagar 100% do montante a essas empresas. Não faremos uma liquidação parcial".

Também serão alocados 930 milhões de dólares para realizar pagamentos parciais a grandes empresas de diversos setores.

A Venezuela, país com as maiores reservas petrolíferas do mundo e que importa quase tudo o que consome, enfrenta uma escassez de divisas que gera um desabastecimento crônico, atingindo medicamentos, alimentos básicos, produtos de higiene, bens de luxo e insumos industriais.

"Estamos promovendo um pagamento que resolve de maneira completa a liquidação (das dívidas) de 2012 e 2013", disse Ramírez, que dirige a petroleira estatal Pdvsa, fonte hegemônica de divisas na Venezuela.

De acordo com o ministro, os setores de saúde, agropecuário, químico e industrial  receberão os pagamentos integrais.

"Vamos começar a convocar estes setores a partir de segunda-feira e liquidar estas divisas ao longo de uma semana. Liquidaremos todas as dívidas que estavam pendentes para os setores", destacou.

Desde que assumiu há 13 meses, o presidente Nicolás Maduro - herdeiro político de Hugo Chávez - tem evitado medidas impopulares, como cortes de gasto público, para reduzir um déficit estimado de 15% do Produto Interno Bruto, e recusou enfaticamente pelo menos uma dezena de  vezes a possibilidade de uma nova desvalorização.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.