• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Desrespeito ao consumidor » Segunda inspeção da Vigilância Sanitária e do Procon-PE interdita supermercado Arco-Íris, no Ipsep

Augusto Freitas

Publicação: 28/05/2014 10:12 Atualização: 28/05/2014 12:27

 (Fiscalização visitou a rede Arco-Íris e também encontrou irregularidades sanitárias que provocaram a interdição do supermercado por cinco dias)
Depois da interdição do supermercado Extra, em Boa Viagem, na manhã desta quarta-feira (28), fiscais da Vigilância Sanitária e do Procon-PE interditaram por cinco dias um segundo estabelecimento: a unidade do Arco-Íris, localizada na Rua Jean Emile Favre, no bairro do Ipsep, Zona Sul do Recife.

Segundo a Vigilância Sanitária, a vistoria encontrou irregularidades como alimentos vencidos, estragados e sem informação, açougue sem licença da Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro-PE) para fracionar produtos como carnes, charques e queijos, além de condições de higiene em desacordo com as normas sanitárias em alguns pontos do supermercado. O estabelecimento pode receber uma multa de até R$ 2 milhões pelas infrações. Até o momento, a Vigilância não informou a quantidade de alimentos apreendidos.

A reportagem do Diario procurou a direção do supermercado Arco-Íris para repercutir a interdição ocorrida hoje. Edivaldo dos Santos, um dos proprietários da rede que possui 20 unidades no Grande Recife e presidente da Apes, falou sobre o problema. Ele defendeu as fiscalizações realizadas pelos órgãos de defesa do consumidor, mas pontuou que as sucessivas interdições têm ocorrido, na maioria dos caso, por falhas operacionais.

“No Arco-Íris, temos uma equipe de prevenção formada por engenheiros, nutricionistas, técnicos em segurança alimentar e do trabalho para averiguar a situação dos produtos vendidos, prazos de validade e armazenamento. Em alguns casos, o profissional não está capacitado o bastante para a função, é uma mão de obra humana e, como todo ser humano, ocorrem erros. Não é e nunca será uma determinação da nossa empresa vender produtos estragados ao consumidor. Vamos apurar todas as notificações da Vigilância e do Procon-PE e corrigir as falhas”, explicou.

Sobre a série de inspeções e interdições ocorridas entre os meses de março e maio, na qualidade de presidente da associação, Santos destacou que o órgão tem investido em programas de qualificação e orientações aos associados. Ele destacou a criação de um selo de qualidade através do Programa Alimento Seguro (PAS), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) como uma das estratégias para resgatar e fortalecer a credibilidade do setor varejista de supermercados.

“Contratamos um profissional especializado em consultoria para da suporte e orientação aos pequenos e médios empreendedores do setor associados à Apes no sentido de qualificar a atuação dos negócios, respeitando todas as exigências sanitárias. As grandes redes têm condições de contratar seus próprios consultores. Também vamos elevar as palestras e oficinas de orientação e capacitação aos empresários para que evitar novas interdições”, completou Santos.

O Arco-Íris é a 15ª rede varejista que sofre interdição por irregularidades sanitárias somente na cidade do Recife, entre os meses de março e maio. Nesse período, as bandeiras Extra, Pão de Açúcar, Carrefour, Extrabom, Bompreço, Makro, Deskontão, Kennedy, Leão, Styllos, Frutão, Todo Dia, Atacadão e RM Express já haviam sido alvo da operação de fiscalização realizada este ano, com interdição parcial, total ou autuação por irregularidades sanitárias.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.