• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Percepção » Fator demanda derrubou confiança de serviços, diz FGV

Agência Estado

Publicação: 28/05/2014 09:55 Atualização:

A percepção dos empresários do setor de serviços sobre a demanda tanto no momento atual quanto no futuro, exerceu a principal pressão sobre a confiança em maio. Mas não foi a única, já que a visão sobre o ambiente de negócios também piorou. Neste mês, o Índice de Confiança de Serviços (ICS) recuou 5,7% em relação ao resultado de abril, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV).

"A tendência de queda dos dois últimos meses atinge todos os quesitos integrantes do ICS e a maioria dos segmentos pesquisados, sugerindo desaceleração do nível de atividade no segundo trimestre e diminuição do otimismo em relação à possibilidade de recuperação do setor nos próximos meses", informou a FGV em nota.

Em relação à situação corrente, o indicador de volume de demanda atual cedeu 5,8% ante abril. Houve diminuição da proporção de empresas que avaliam a demanda como forte, de 12,1% para 10,8% no período. No sentido oposto, aumentou a fatia dos que a consideram fraca, de 22,0% para 25,9%.

O indicador que mede a situação atual dos negócios, apesar de não ter sido a principal contribuição, também pressionou a confiança. A queda de 3,6% ante abril foi resultado da redução do número de empresas que avaliam a situação como boa, de 24,6% para 22,2%. Além disso, as empresas que avaliam esse aspecto como ruim aumentaram a 21,0%, de 19,6% em abril.

Expectativas

Para os meses à frente, o indicador de demanda prevista caiu 6 6%, informou a FGV. A proporção de empresas que projetam aumento da demanda caiu de 39,1% para 33,6%, enquanto a parcela das que preveem demanda menor subiu de 11,1% para 14,0%.

Em relação à tendência dos negócios, os empresários também ficaram menos otimistas. O indicador caiu 6,5%, mostrando que a proporção de empresas que esperam melhora da situação dos negócios recuou de 37,7% para 33,2%. Enquanto isso, a fatia das que esperam piora aumentou de 7,8% para 11,8%.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.