• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Polêmica » Suspeita de plágio em prova do Mapa

CorreioWeb

Publicação: 07/05/2014 10:28 Atualização:

Uma nova polêmica envolvendo o concurso público do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) foi levantada. Candidatos ao cargo de fiscal federal agropecuário (da área de química), que fizeram prova no último domingo (4), notaram significativa semelhança entre uma questão de conhecimentos específicos e o exemplo de um livro chamado Introdução à Espectroscopia (da editora Cengage Learning).

Leia mais sobre concursos no portal Admite-se

Em uma foto tirada pelo candidato que denunciou o fato ao Ministério Público Federal, a questão da página 479 da publicação tem o enunciado muito parecido ao da prova, e tanto as alternativas de resposta quanto o gráfico do exame são idênticos aos do livro.

A assessoria do ministério alegou que a responsabilidade sobre a prova é totalmente da organizadora, a Consulplan. A banca, por sua vez, afirmou que já recebeu a reclamação e a encaminhou para análise do professor responsável. “Tão logo haja um parecer, será divulgado aos candidatos”, declarou em nota. Foram 7.019 candidatos ao cargo de fiscal agropecuário, para uma oferta de 22 vagas.

Esta é segunda vez que o concurso apresenta problema. Em abril, as provas foram suspensas pela Justiça Federal do Amazonas, a pedido de oitos fiscais federais agropecuários. Eles consideravam injusto o Mapa abrir vagas para locais em que eles já haviam manifestado interesse de remoção, mas sempre tiveram tal direito negado. Somente após o ministro da Agricultura autorizar uma seleção nacional de remoção o certame pôde continuar. Ao todo, foram registrados 412.118 inscritos a 796 vagas, com salários de até R$ 12.539,38.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.