• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Comércio exterior » Negociações com Argentina no setor automotivo emperram

Agência Estado

Publicação: 07/05/2014 09:49 Atualização:

As negociações entre Brasil e Argentina para tentar melhorar as vendas do setor automotivo estão longe de ter um final. Depois de um dia inteiro de reunião em Brasília com representantes dos dois governos e de montadoras brasileiras e argentinas, não houve uma solução para a atual queda do comércio bilateral.

A Argentina insiste em discutir metas de integração produtiva que desagradam ao lado brasileiro. Pela manhã, a reunião foi apenas entre os técnicos dos governos. Na parte da tarde, as montadoras passaram a integrar a discussão.

Segundo uma fonte que participou do encontro, os argentinos querem a garantia de manutenção de fatia de mercado no Brasil nos mesmos patamares do ano passado e ações voltadas para o fortalecimento da indústria de autopeças local.

A Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea) não concorda com o estabelecimento de metas para aumentar as importações de autopeças do País vizinho. O argumento é que o mercado nacional está desaquecido e o setor não pode se comprometer nesse momento com prazos e metas. Além disso, o setor teme que a Argentina não tenha capacidade de produção para atender à demanda.

Outro assunto tratado na reunião foi a renovação do acordo automotivo bilateral. A ideia é fazer um compromisso provisório até a conclusão de um acordo que possa ser definitivo. Os argentinos querem incluir na proposta a concessão de crédito presumido de IPI pelo governo brasileiro às montadoras que comprarem autopeças argentinas.

O crédito presumido foi garantido às empresas dentro do regime automotivo Inovar-Auto para estimular a aquisição de insumos nacionais. A Argentina quer que o benefício chegue ao setor produtivo do país, mas a ideia não é bem-vista pela equipe econômica.

Na reunião entre os dois governos, ontem (6) pela manhã, os negociadores brasileiros tiraram dúvidas sobre a proposta de criação de uma linha de financiamento por bancos no Brasil para os importadores argentinos. Uma fonte do governo explicou que o banco central argentino tem restrições à proposta. O Brasil quer usar o Fundo de Garantia à Exportação (FGE) para viabilizar as linhas de crédito. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.