• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Carros » JAC Motors: mercado de carro sofre com falta de demanda

Agência Estado

Publicação: 05/05/2014 18:09 Atualização:

O presidente do Grupo SHC e JAC Motors Brasil, Sergio Habib, afirmou nesta segunda-feira (5) que o problema enfrentado pelo mercado de automóveis no Brasil não é decorrente da falta de crédito, como faz parecer o governo quando pede aos bancos que libere mais financiamentos ao setor. "O que gerou a queda do mercado nesse primeiro trimestre não foi falta de crédito. Foi falta de demanda", disse, ao participar do Workshop New New Comers Auto & Caminhões, promovido pela AutoData, na capital paulista.

Segundo o executivo, o cenário de incerteza atual acaba gerando um consumidor mais cauteloso nas compras de bens duráveis. "O problema do mercado é falta de confiança. O pessoal está preocupado com o futuro e quem está preocupado não compra ou não troca de carro. O bem durável depende muito mais da confiança do que do preço", disse.

Ele reforçou que não é verdade que os bancos estão mais restritivos. Para Habib, tanto o governo quanto outros empresários do ramo que batem na tecla de falta de financiamento estão apostando em um discurso errado. "Quem tem razão é o (Luiz Carlos) Trabuco (presidente do Bradesco). Ele falou que não é verdade (que os bancos estão emprestando menos). Tem crédito, tem tanto crédito quanto tinha há seis meses", reforçou.

De acordo com Habib, a concessão de crédito fez realmente o mercado "explodir" no passado, mas as restrições ao financiamento ocorreram em 2011. "O mercado parou de crescer em 2012 e 2013 para se adaptar a essas regras mais restritivas. Hoje é muito difícil comprar carro sem entrada, mas já era assim há um ano", exemplifica.

O executivo pondera que a liberação de crédito para carro sem entrada e com prazo de cinco anos era uma operação muito arriscada para os bancos. "Hoje a maioria das operações é 30% de entrada e saldo em quatro anos." Segundo ele, a avaliação se esse modelo é adequado deve ser feita pelo sistema bancário.

Para demonstrar que o cenário ligado ao financiamento não se alterou, Habib ressaltou ainda que a quantidade de fichas recusadas de concessão de crédito por parte dos bancos continua ao redor de 40%. "Essa quantidade está absolutamente estável."

Efeito Copa

O executivo diz ainda que a proximidade da Copa do Mundo também impacta diretamente na queda de vendas de veículos. Habib chama o efeito de "share of pocket", ou 'market share do bolso'. "Tem muito gente comprando televisão cara para a Copa. Esse dinheiro que está sendo canalizado para o pessoal comprar televisão de R$ 3 mil a R$ 7 mil reais não está indo para a troca de carro", explica.

Segundo Habib, esse é um fenômeno temporário e sua duração vai depender do prazo do compromisso desses consumidores com esse tipo de compra. "Se o pessoal comprou (parcelado) em três ou seis meses, o efeito vai durar mais uns três ou seis meses. Depois volta ao normal", avaliou.

O executivo, que prevê em 2014 uma queda por volta de 6% no mercado de automóveis, ponderou que o cenário não altera os planos da JAC Motors para o Brasil. "No longo prazo não muda nada. Ninguém faz uma fábrica para um ano", diz, referindo-se à planta industrial da empresa que está sendo montada em Camaçari, na Bahia, e que deve entrar em funcionamento em 2015. No curto prazo, entretanto, Habib afirma que o arrefecimento do mercado fez com que a empresa diminuísse em torno de 10% suas encomendas.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.