• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Controle » Ipem-MG confere peso dos ovos de Páscoa para garantir direitos do consumidor Fiscais da Operação Especial de Páscoa percorrerá estabelecimentos para analisar oa produtos, em especial ovos de chocolate

Estado de Minas

Publicação: 13/04/2014 17:53 Atualização:

O Instituto de Metrologia do Estado de Minas Gerais (Ipem-MG) iniciou a Operação Especial de Páscoa com a intenção de resguardar os direitos dos consumidores mineiros. No período que antecede o feriado, fiscais do Ipem percorrem estabelecimentos comerciais em todo estado, como supermercados, padarias e lojas de doces, para recolher os produtos típicos dessa época do ano, em especial os ovos de chocolate, e analisar se o peso indicado no rótulo corresponde ao peso real da mercadoria.

De acordo com a gerente de Metrologia Legal para Produtos Pré-Medidos do Ipem-MG, Ângela Cadette, a operação ocorre durante todo o ano, mas é intensificada neste período. “Nosso objetivo com essa ação é aumentar a segurança do consumidor para o bem que ele está adquirindo”, destaca. “Asseguramos que ele está pagando por um produto que apresenta o peso correto”, acrescenta.

A dinâmica da fiscalização é simples. Os profissionais do Ipem vão a campo e recolhem as mercadorias, sobretudo ovos de páscoa, de acordo com o tamanho do lote e da respectiva amostra estatística calculada. “Nada é feito por conta própria do oficial. Consideramos todos os produtos, de tamanhos variados e de várias marcas, sejam elas as mais caras ou as mais baratas, todas são fiscalizadas. É uma análise quantitativa”, esclarece Ângela.

Com o comerciante, é deixado o Termo de Coleta, que deve ser usado por ele para solicitar a reposição do produto coletado junto ao fornecedor. Os chocolates são enviados para a sede do Ipem, na cidade de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e o detentor da marca do produto é convidado, com antecedência, para assistir aos exames agendados que serão realizados nos laboratórios do instituto, de modo a garantir a transparência da fiscalização.

“Pesamos o produto descontando o peso da embalagem para ver se o conteúdo efetivo está de acordo com a indicação”, explica Ângela. Após as análises, se for comprovada alguma irregularidade, o fabricante é notificado, pode pagar multa e ter a mercadoria recolhida das prateleiras dos estabelecimentos comerciais. Por outro lado, se os exames não apontarem incorreções, os produtos usados nos testes são disponibilizados para que a empresa os retire. Caso contrário, eles são doados a entidades beneficentes registradas no Ipem.

Segurança das crianças

Os brinquedos ofertados como brindes dentro e fora dos ovos de páscoa também são fiscalizados. O Ipem verifica se os produtos infantis possuem o selo de conformidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), com o intuito de coibir possíveis acidentes de consumo com os pequenos. “Estimulamos a sociedade a relatar os acidentes de consumo para melhorar os produtos e para criar novos mecanismos de avaliação da qualidade”, enaltece a diretora da qualidade do Ipem, Adriane Barbato.

Conforme esclarece Adriane Barbato, além do selo do Inmetro, os brindes contidos nos ovos de páscoa também devem trazer na embalagem a informação de que o brinquedo é certificado no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade. “Os produtos são devidamente fiscalizados quando apresentam irregularidades ou quando o selo está aplicado da forma incorreta ou, ainda, na ausência dele. Assim, o produto pode ser apreendido ou inutilizado”, comenta.

Caso o consumidor encontre ou suspeite de alguma irregularidade nesses produtos, ele pode relatar o ocorrido na Ouvidoria do Ipem, por meio do telefone 08000-335-335 ou por meio do site www.ipem.mg.gov.br.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.