• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Reforma » Mantega: FMI precisa de alternativas para fazer reformas Aprovada em 2010, a reforma do funcionamento do FMI está parada no Congresso americano e praticamente sem previsão de que seja votada no curto prazo

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 12/04/2014 09:43 Atualização:

O Fundo Monetário Internacional (FMI) não deveria continuar "esperando Godot" e aguardar indefinidamente que o Congresso dos Estados Unidos aprove a reforma no funcionamento da entidade, disse nesta quinta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que está em Washington."Eu acho que o FMI deveria pensar agora em alternativas. Digamos que não sei quando o Congresso americano continue sem aprovar a reforma. Vamos ficar a vida toda esperando? Não dá", defendeu Mantega na entrevista coletiva em meio à assembleia-geral de primavera (hemisfério norte) do FMI e Banco Mundial.

"Não dá para ficar esperando Godot", insistiu o ministro, referindo-se à peça de Samuel Beckett, na qual dois personagens aguardam a chegada de alguém chamado Godot, que nunca aparece. Aprovada em 2010, a reforma do funcionamento do FMI está parada no Congresso norte-americano e praticamente sem previsão de que seja votada no curto prazo.

Nesta sexta-feira, em uma declaração, os países emergentes e desenvolvidos do G20 pediram aos Estados Unidos que aprove essa reforma no Congresso americano. Ainda assim, Mantega alegou que não se deve esperar esse prazo para começar a pensar em alternativas. "O final do ano, para mim, é o limite final. Não podemos passar quatro anos esperando. Este acordo ficou pronto em 2010", afirmou.

Uma das alternativas, sugeriu, seria destravar a aplicação da 14ª rodada da Revisão Geral de Cotas e começar a trabalhar de uma vez na 15ª rodada. "Nada impede que mesmo sem aprovar a 14ª se possa começar a 15ª", insistiu.

Pouco antes, Mantega fez um discurso, no qual alegou que os "atrasos extraordinários" na aprovação da reforma do FMI são "preocupantes e danosos". "O FMI não pode permanecer paralisado e adiar seu compromisso com a reforma. Devem ser encontradas alternativas para avançar, enquanto o maior acionista (os Estados Unidos) não resolve seus problemas políticos", comentou Mantega.

Em seu discurso, Mantega também mencionou a necessidade de transformar em políticas concretas a preocupação do FMI e do Banco Mundial com a redução das desigualdades. Nesse sentido, o ministro reiterou a posição do Brasil de identificar áreas, nas quais os governos possam aumentar impostos para os setores mais ricos, "sem afetar a criação de empregos", ou ajudar os governos a melhorarem suas políticas de transferência de renda.No ano passado, o FMI surpreendeu ao lançar a ideia de um taxação excepcional sobre as poupanças privadas para enfrentar o déficit público, mas essa ideia foi rapidamente descartada em benefício da noção tradicional de controle do gasto.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.