• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Crise » EUA pedem que comunidade internacional ajude Ucrânia financeiramente

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 11/04/2014 17:35 Atualização:

Os Estados Unidos pediram nesta sexta-feira à comunidade internacional para tomar "medidas imediatas" para completar a assistência prometida à Ucrânia pelo FMI e atender às "grandes necessidades de financiamento" daquele país.

"É crucial que a comunidade internacional, os bancos de desenvolvimento e parceiros bilaterais, tomem providências imediatas para (...) sustentar o programa do FMI de apoio financeiro", declarou o secretário do Tesouro americano, Jacob Lew, em discurso na assembleia-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM), em Washington.

No final de março, o FMI estimou que a Ucrânia precisa de 27 bilhões de dólares em dois anos e aprovou um projeto de acordo para uma linha de crédito de 18 bilhões para o país  evitar a falência.

Outros países e instituições, incluindo o Banco Mundial, concordaram em participar para completar a assistência do Fundo.

Os Estados Unidos se comprometeram em garantir empréstimos de até 1 bilhão de dólares, enquanto que os europeu injetariam na economia ucraniana 1,6 bilhão de euros em empréstimos e 600 milhões em ajuda.

"Esperamos que outros se comprometam para que não tenhamos que desembolsar 18 bilhões (de dólares)", explicou nesta sexta-feira o chefe do departamento europeu do FMI, Reza Moghadam, em coletiva de imprensa.

"Nós ainda estamos conversando com os credores bilaterais e multilaterais e temos tido algum sucesso", disse ele.

Também presente  em Washington, o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, afirmou que, apesar de tudo, o FMI deve ser o "piloto" do plano de assistência internacional para a Ucrânia.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.