• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Banco Mundial » Desafio latino-americano é criar empregos

Agência O Globo

Publicação: 10/04/2014 20:19 Atualização:

A América Latina realizou com sucesso nos últimos anos programas de transferência de renda para retirar milhões de pessoas da pobreza extrema, mas agora enfrenta o desafio de criar empregos, afirmou o presidente do Banco Mundial (BM), Jim Yong Kim.

Na visão de Kim, "programas condicionais de transferência de renda" aplicados em países como Brasil e México têm sido "um grande sucesso" e "muito efetivos para retirar famílias, mulheres e crianças da pobreza".

"Mas a próxima grande pergunta é como estes programas podem conduzir estas mulheres e famílias ao mercado de trabalho formal. Então, a grande questão é a criação de empregos. E isto se aplica a toda América Latina", disse em Washington, durante a reunião semestral do Banco Mundial e do FMI.

Kim citou especificamente o sucesso do programa brasileiro "Bolsa Família", assim como do mexicano "Oportunidades".

O "Bolsa Família", que concede complementos de renda a 13,8 milhões de famílias, ajudou a tirar, segundo o governo, 36 milhões de brasileiro da pobreza extrema. Com o "Oportunidades", o governo mexicano coordena incentivos para a educação, saúde e nutrição das famílias mais pobres.

Em países onde os programas de incentivos não foram aplicados ou onde os resultados ainda são incipientes, destacou Kim, deveria ser dada uma atenção especial à criação de "um ambiente empresarial onde o setor privado possa crescer e criar empregos".

Um estudo do BM revela que "nas economias em desenvolvimento, mais de 90% de todos os postos de trabalho são criados no setor privado", disse Kim.

"Quando há sucesso nos esforços para retirar as pessoas da pobreza é necessário concentrar-se em que elas consigam bons empregos para manter a nova situação".

Na véspera, o Banco Mundial comentou que o lento crescimento esperado para as economias da América Latina este ano pode afetar o ritmo do avanço social que na última década tirou milhões de pessoas da pobreza na região.

"Com o tipo de crescimento que estamos tendo nestes anos, não podemos manter o ritmo de progresso social que tivemos nos anos anteriores", afirmou o economista-chefe do Banco Mundial para a região, Augusto de la Torre.

Apesar de expressar preocupação pelo "estancamento do progresso", ele esclareceu que não espera uma reversão das melhorias sociais alcançadas, que, a seu ver, são permanentes.

A América Latina desfrutou, na última década, de taxas de crescimento próximas a 5% em média, mas se desacelerou para 2,7% em 2013. Para 2014, o Fundo Monetário Internacional (FMI) já anunciou que espera um recuo para 2,5%.

Ainda mais prudente, o Banco Mundial prevê um crescimento de 2,3%.

De la Torre se referiu à "desaceleração no ritmo de progresso social que pode ser uma fonte importante de tensões sociais e políticas e que pode levar os líderes políticos a conduzir mal a economia".

Na última década, 70 milhões de pessoas alcançaram a classe média na América Latina, mas as expectativas da população não foram sempre satisfeitas em relação à qualidade dos serviços públicos, educação, ou segurança nos países.

Segundo De la Torre, o quadro baixo de crescimento tornará ainda mais difícil para o governo responder a essas demandas em curto prazo e pode ser um caldo de cultivo para políticas populistas, que já se mostraram insustentáveis no passado.

"Quando surgem pressões sociais novas, às vezes, os líderes políticos se esquecem da macroeconomia e fazem políticas que tendem a ser mais populistas e, nesse processo, fragilizam a capacidade estabilizadora da economia", explicou De la Torre à imprensa, em paralelo às reuniões do Banco Mundial e do FMI esta semana em Washington.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.