• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Selic » Juros serão os mais altos desde 2011

Correio Braziliense

Publicação: 02/04/2014 08:59 Atualização:

Se nada mudar no roteiro traçado pelo Banco Central e pelo mercado financeiro, a taxa básica de juros (Selic) subirá hoje 0,25 ponto percentual, de 10,75% para 11% ao ano, o patamar mais elevado desde dezembro de 2011.

Embora esse aumento já seja pedra cantada, ele terá um poder simbólico: marcará um retrocesso enorme na política monetária de Dilma Rousseff. Ela entregará ao próximo governo juros maiores do que os que recebeu de seu antecessor, Lula, de 10,75%. Desde que o sistema de metas de inflação foi implantado no Brasil, isso nunca aconteceu. Sempre as administrações seguintes assumiram com Selic menor, reforçando o controle do custo de vida.

Na avaliação dos especialistas, o fato de Dilma empurrar uma fatura maior de juros para o próximo governo — que ela pode comandar, caso seja reeleita — é resultado da leniência no combate à inflação. Desde que tomou posse, em janeiro de 2011, a presidente explicitou a obsessão por derrubar a Selic.

A meta era que a taxa real (que desconta a inflação) ficasse em 2% ao ano, semelhante ao observado em outros países emergentes. Dilma acreditava que, com isso, conseguiria impulsionar o crescimento econômico. O problema é que, ao mesmo tempo, ela autorizou o Ministério da Fazenda a abrir os cofres e a reduzir o superavit primário (saldo para pagar os encargos da dívida). A gastança pressionou a inflação. E, pior, o crescimento não veio.

Descrédito

O BC só recebeu carta branca do Planalto para aumentar os juros no início do ano passado, devido aos consecutivos estouros do teto da meta de inflação, de 6,5%. Como, no entanto, a política monetária havia caído em descrédito, a carestia não cedeu e as expectativas dos agentes econômicos se deterioraram.

Por isso, com a nova disparada dos preços dos alimentos, o BC terá de pesar um pouco mais a mão na Selic. No entender de André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos, em vez de elevar a taxa básica para 11% na reunião de hoje e encerrar o ciclo de aperto, o Comitê de Política Monetária (Copom) terá que subir a Selic em maio e em julho. Serão mais duas alta de 0,25 ponto cada, para 11,50%.

Para Luciano Rostagno, do Banco Mizuho, o Copom será um pouco mais comedido, com a Selic subindo 0,25 ponto hoje e 0,25 no mês que vem. Segundo ele, sustenta esse quadro a recente surpresa negativa da inflação, puxada por produtos in natura (frutas, legumes e verduras). Ele acredita que se somará a esse movimento uma onda de reajustes dos serviços por causa da Copa do Mundo. Com isso, o custo de vida estourará o teto da meta, exigindo que o BC aja para evitar a contaminação dos demais preços da economia.

No Planalto, a ordem é para que o BC faça o dever de casa, mesmo que uma dose maior de juros derrube o crescimento econômico. Para Dilma, se há algo que pode minar o caminho para reeleição é a inflação. “Portanto, vamos enfrentá-la com todas as armas que temos”, garantiu um auxiliar da presidente.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.