• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Expansão » Vitória industrial Município da Zona da Mata pernambucana tem desenvolvimento econômico reforçado com a instalação de plantas industriais

Rochelli Dantas - Diario de Pernambuco

Publicação: 29/03/2014 17:30 Atualização:

Camila Cassimiro, gerente de RH da Mondelez, esclarece que 90% dos funcionários da empresa são de Vitória de Santo Antão Foto: Annaclarice Almeida/DP/D.A Press
Camila Cassimiro, gerente de RH da Mondelez, esclarece que 90% dos funcionários da empresa são de Vitória de Santo Antão Foto: Annaclarice Almeida/DP/D.A Press
O município de Vitória de Santo Antão está passando por um processo de industrialização. Por lá, estão instalados, ou em instalação, grandes indústrias, gerando uma mudança na matriz econômica do município. A história industrial da cidade começou em 1938, quando a Pitú iniciou a produção no local. Recentemente, outros grandes grupos se instalaram. BRF Foods, Mondelez, Roca, Metalfrio, Arxo e Fante são algumas das empresas que escolheram o destino para expandir a produção no país.

A analista de Recursos Humanos, Carla Montenegro, acompanhou de perto a chegada da Mondelez à cidade. Na época, ela trabalhava na prefeitura do município e recolhia os currículos dos interessados em trabalhar na unidade. “Apenas na primeira etapa recebemos cinco mil currículos. O meu estava entre eles, mas não fui chamada para o processo seletivo”, contou. Após um tempo, ela foi convidada para  integrar a equipe de uma terceirizada da indústria. “Passei oito meses por lá até que me chamaram para a fábrica, que era o que eu queria”, ressalta.

De acordo com a gerente de RH da Mondelez, Camila Cassimiro, hoje a unidade conta com 1.222 funcionários. Deste total, 90% são do município. A empresa oferece um programa próprio de capacitação. A chamada Universidade de Alimentos Mondelez (UAL) já formou 1.500 profissionais. “O curso é oferecido em torno de boas práticas de manufatura. O treinamento é oferecido para a população local e para moradores de municípios vizinhos”, afirmou Camila.

A empresa também lançou a Universidade de Alimentos Técnica (UAL Tech). Neste caso, o objetivo é formar os funcionários em nível técnico. “Os cursos duram entre quatro e cinco meses. Nós lançamos um edital e os funcionários interessados se inscrevem e participam de um processo seletivo”, explicou Camila.

Leia a matéria completa na versão impressa do Diario de Pernambuco

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.