• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Negócio próprio » Aumenta número de mulheres empreendedoras Desejo de empreender e ter uma renda complementar leva público feminino a se tornar maioria na busca pelo microcrédito

Sávio Gabriel - Especial para o Diario

Publicação: 08/03/2014 08:00 Atualização: 07/03/2014 19:24

"De 2012 pra cá, já solicitei o financiamento cinco vezes. O último foi há três meses%u201D, comenta Kilma, que pediu um crédito de R$ 5 mil e se tornou microempreendedora. Foto: Julio Jacobina/ DP/D.A.Press
A técnica de enfermagem Kilma Lima, 31, solicitou em 2012 um microcrédito de R$ 1 mil para abrir uma pequena loja e tornou-se microempreendedora. A decisão veio após o nascimento do filho e a necessidade de estar mais perto da criança. Depois de dois anos, ela comemora os bons resultados, e diz que o acesso ao microcrédito foi fundamental para o sucesso do negócio. “De 2012 pra cá, já solicitei o financiamento cinco vezes. O último foi há três meses”, comenta Kilma, que pediu um crédito de R$ 5 mil.

Assim como ela, outras mulheres estão conquistando a independência financeira e se tornando empreendedoras. E isso se reflete na procura pelo microcrédito, que nos últimos anos tem sido majoritariamente feminina. De acordo com o Banco do Nordeste (BNB), atualmente há 117 mil clientes em Pernambuco que solicitaram o crédito por meio do Crediamigo. Desses, 62% (pouco mais de 72,5 mil) são mulheres. Segundo o gerente de microfinança urbana do BNB, Leonardo Soares, a busca pela complementação da renda e o desejo de empreender são os principais fatores que justificam esse cenário.

“Na busca por uma renda maior, as mulheres passam a investir em atividades formais ou até informais, como a revenda de produtos de beleza ou de roupas”, exemplifica Soares. “Para isso, elas precisam de um capital de giro, ainda que pequeno, e procuram o microcrédito”, diz ele, informando que o valor médio dos empréstimos fica entre R$ 1 mil e R$ 2 mil. Soares conta que a maioria das mulheres que buscam o BNB possuem esse perfil e têm, em média, entre 28 e 50 anos.

Segundo Conceição, procura pelo microcrédito é para complementar renda. Foto: Sebrae/ Divulgação
Segundo Conceição, procura pelo microcrédito é para complementar renda. Foto: Sebrae/ Divulgação
“Além disso, o espírito empreendedor das mulheres é outro fator que pesa bastante, principalmente no Nordeste”, avalia o gerente. Ele ressalta que empreender, hoje, não significa investir alto ou ter um negócio sofisticado. “Basta apenas ter vontade e acreditar naquilo que está fazendo”.

Para a analista de orientação empresarial do Sebrae-PE, Conceição Moraes, a busca da complementação da renda é, de fato, o fator que impulsiona a procura pelo microcrédito por parte das mulheres. “Por natureza, elas possuem uma vida flexível e conseguem dar conta de várias atividades, como cuidar da casa e trabalhar, simultaneamente”, reforça. “Além disso, há aqueles casos em que a mulher está, de fato, se tornando empreendedora. Nessas situações, o microcrédito é uma linha de financiamento para estruturar o negócio, comprar equipamentos”, explica. “Com o desenvolvimento do empreendimento, o natural é que elas passem a procurar outras formas de crédito”, acrescenta.

A presença majoritária do público feminino nas solicitações de microcrédito não é exclusividade do BNB. Segundo matéria publicada pela Agência Brasil, as mulheres que solicitam o financiamento por meio do Banco do Brasil e do Santander também são maioria. Elas correspondem a 57% e 69%, respectivamente.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.