Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Consumidor » Operação "Ouro Negro" interdita 15 pontos de venda de derivados de petróleo no Grande Recife

Diario de Pernambuco - Diários Associados

Publicação: 24/02/2014 15:02 Atualização:

A Polícia Civil de Pernambuco interditou, na manhã desta segunda-feira (24), 15 pontos comerciais de venda combustíveis e derivados de petróleo na Região Metropolitana do Recife (RMR). A ação de fiscalização, batizada de “Operação Ouro Negro”, foi realizada por agentes civis da Delegacia de Crimes Contra o Consumidor (Decon), que encontraram iregularidades em 12 estabelecimentos comerciais e três postos de combustíveis.

De acordo com a Decon, a operação ocorreu entre os últimos dias 18 e 21 e, durante a ação de fiscalização, os agentes constataram várias fraudes em pontos de venda de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) e combustíveis adulterados. Em alguns pontos que inclusive tinham autorização para vender o produto, a polícia não encontrou a documentação necessária e constatou problemas no armazenamento dos produtos.

Os policiais também constatou que a gasolina vendida em dois postos de combustível estava supostamente adulterada, sendo os locais interditados conforme a legislação determina. A ação de fiscalização foi motivada pela visita de fiscais da Agência Nacional de Petróleo (ANP) ao Recife, recentemente.

A Decon informou que durante a operação não efetuou nenhuma prisão, já que não houve flagrante. A polícia confirmou que durante a ação nenhum dos proprietários dos pontos comerciais e postos de combustíveis estavam nos locais durante a fiscalização. Além disso, a Decon ressaltou que necessita do resultado da perícia dos combustíveis para, em caso de comprovação de suposta adulteração, efetuar as prisões cabíveis.

Segundo o delegado titular da Decon, os proprietários dos estabelecimentos comerciais serão chamados para prestar depoimento ainda nesta semana. Caso sejam indiciados por venda ilegal de derivados de petróleo podem ser presos e cumprir até cinco anos de detenção.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »