Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Telefonia » Oi prepara captação bilionária para permitir fusão com PT

Agência O Globo

Publicação: 07/02/2014 16:17 Atualização:

Com previsão para ser concluída entre abril e maio, a fusão da Oi e da Portugal Telecom (PT) está chegando em sua reta final. Já foi concluída a formação de um consórcio de bancos que será responsável pela captação de recursos no mercado financeiro - operação essencial para permitir a união entre as duas teles, que vai criar a CorpCo. A expectativa é que essa captação para o aumento de capital da Oi, feita através de uma oferta pública de ações, seja anunciada já nos próximas semanas. Há uma "garantia", segundo uma fonte a par do processo, de que esse consórcio formado por bancos brasileiros e estrangeiros capte pelo menos R$ 6 bilhões.

Com a informação, as ações da tele estão entre as maiores alta na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e, na bolsa de Lisboa, os papéis da PT também subiram. Para realizar a fusão, a empresa precisa captar entre R$ 7 bilhões e R$ 8 bilhões. Desse total, está garantido apenas R$ 2 bilhões, recursos que serão aportados pelo BTG e pelos "acionistas" da Telemar Participações (TelPart, que tem entre os sócios Andrade Gutierrez, La Fonte, os fundos de pensão e o BNDES).

Segundo essa fonte a par do negócios, a criação de um consórcio de bancos - que já estava prevista conforme fato relevante divulgado em outubro do ano passado, data de anúncio da fusão - envolve instituições como Bradesco, Banco do Brasil, Itáu Unibanco e Votorantim, além de Citibank, Santander, Credit Suisse, Barclays e Merril Lynch. Entre os bancos portugueses, estão a Caixa Geral de Depósitos e o Banco Espírito Santo - que também são acionistas da tele portuguesa.

"A formação de uma associação dos bancos já estava prevista. É uma fase importante para a fusão. Esses bancos vão captar o dinheiro no mercado. Mas, caso não consigam obter todos os recursos, vão colocar dinheiro do caixa, com a criação de fundos de investimento por exemplo, recolhendo dinheiro dos próprios clientes. Toda essa quantia vai entrar no aumento de capital da companhia, que ainda precisa passar por uma assembleia de aprovação", disse essa mesma fonte.

O aumento de capital previsto é de no mínimo R$ 14,1 bilhões. Mas pode ser maior, segundo uma fonte a par das negociações. Segundo o fato relevante, estão garantidos até o momento cerca de R$ 8,1 bilhões - sendo R$ 2 bilhões do BTG e "sócios" da Telemar Participações, além dos R$ 6,1 bilhões que virão da Portugal Telecom. A PT não vai aportar novos recursos nesse caso: o valor se dará pela incorporação dos ativos da tele portuguesa, que neste momento passam por laudos de avaliação.

"O aumento de capital pode ser maior que os R$ 14,1 bilhões previstos. Na Telemar Participações, onde estão os fundos de pensão e o BNDES, poderão participar do aporte adicional de R$ 2 bilhões. Mas ainda estão ocorrendo as negociações. A participação dos atuais acionistas na nova empresa vai depender ainda se eles vão entrar com mais recursos por fora da Telemar Participações", completou essa fonte.

Pelo acordo assinado entre as duas empresas, a participação da Portugal Telecom (PT) na CorpCo não poderá ser inferior a 36,6% ou maior que 39,6%. A CorpCo terá ações cotadas apenas no Novo Mercado, segmento de maior transparência da Bolsa.

Procurada, a Oi diz que não comenta rumores de mercado.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »