• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Reajuste » Conta de água vai subir 8,75% a partir de março Reajuste ficou acima da inflação oficial de 5,91%, mas abaixo dos 15% solicitados pela companhia à Arpe

Rochelli Dantas - Diario de Pernambuco

Publicação: 01/02/2014 09:00 Atualização:

Audiência apresentou cálculos da revisão tarifária. Compesa/Divulgação
Audiência apresentou cálculos da revisão tarifária. Compesa/Divulgação
A partir do dia 20 de março, a conta de água dos pernambucanos será reajustada. Ontem, a Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe) realizou uma audiência pública para explicar a metodologia utilizada para o cálculo da revisão tarifária e anunciou um incremento médio de 8,75% nas faturas. Agora, a agência tem até o dia 18 de fevereiro para homologar o reajuste, que passa a valer a partir do dia 20 de março.

O percentual apresentado é maior do que a inflação oficial que ficou em 5,91% nos últimos 12 meses, segundo o IPCA, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) queria mais. O pedido feito à Arpe foi de um repasse de 15% aos consumidores. 
“Na análise de consistência dos números de receita e despesa enviados pela companhia nós identificamos valores em duplicidade ou lançados em contas inadequadas. Além disso, os critérios de projeção utilizados não foram considerados razoáveis pela agência”, explicou o diretor de Regulação Econômica e Financeira, Hélio Lopes. 

De acordo com Lopes, o item que mais pesou neste aumento foi o grande volume de investimentos que a companhia realizou no período. Pelos dados apresentados, na revisão tarifária de 2009, última realizada, a Compesa fez um investimento de R$ 1,2 bilhão. Desta vez, o valor apresentado foi de R$ 2,6 bilhões.

“A partir deste ano também começaremos a cobrar metas para melhoria do serviço e redução de custos. Em 2014, a Compesa terá que reduzir em 2% as perdas de água e despesas de exploração. Se não conseguir, irá operar com aperto de caixa”, ressaltou Lopes. As metas regulatórias estabelecidas pela Arpe seguem até o final de 2017, quando haverá uma nova revisão tarifária.

Segundo o diretor comercial da Compesa, Franklin Azoubel, o índice aplicado irá impor sacrifícios à empresa. “Passamos pela maior seca dos últimos 50 anos. Houve o colapso em mais de 50 municípios, o que reduziu nosso faturamento em R$ 40 milhões. Agora reduziremos os custos mas não será suficiente”, disse.

O último reajuste entrou em vigor no dia 18 de fevereiro do ano passado. Na época, a Arpe definiu um reajuste médio de 7,98% para a conta de água. Porém, como o governo federal reduziu a tarifa de energia elétrica, um dos principais custos da empresa, a Compesa anunciou o repasse dessa redução para o consumidor. Sendo assim, o aumento médio ficou em 5,19%.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.