• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Primeiros reembolsos » Priples é obrigada a garantir R$ 11 mil a investidores

André Clemente - Diario de Pernambuco

Publicação: 31/01/2014 10:19 Atualização: 31/01/2014 16:41

A Justiça de Pernambuco manteve a decisão de primeiro grau e a Priples terá que assegurar R$ 11 mil investidos por dois pernambucanos. A empresa está sendo investigada por suspeita de cometer crime contra a economia popular (pirâmide financeira) e, por conta disso, as atividades estão bloqueadas, assim como a movimentação de R$ 100 milhões que estavam em caixa. A decisão em vara cível permite que o montante seja assegurado, enquanto a ré aguarda julgamento em vara criminal. Trata-se da primeira sentença em segundo grau para casos como este. O recurso da empresa à decisão em primeiro grau foi negado pela juíza Virgínia Gondim, desembargadora substituta.

O advogado Ricardo Cysneiros, autor da ação em defesa dos investidores (que não quiseram ter os nomes divulgados), destacou que o objetivo é assegurar o ressarcimento dos valores, pelo não cumprimento do que a empresa garantia. Pelo calendário, os dois aplicaram R$ 1 mil e R$ 10 mil, respectivamente, nos dias 14 e 28 de maio de 2013. Naquele mesmo mês, começaram as investigações contra a Priples, por conta de atrasos no pagamento prometido aos investidores. Nada foi recebido até agosto, quando o negócio foi bloqueado pela Justiça. Na época, os sócios Henrique Lima e Mirelle Pacheco chegaram a ser presos.

De acordo com Cysneiros, a defesa da empresa não apresentou argumentos fortes. “Entrei com a ação em novembro, e a liminar foi publicada em dezembro. O recurso da empresa aconteceu em janeiro, sempre alegando que é marketing multinível e que não paga porque não pode movimentar as finanças. É só isso que ela defende.”

Na semana passada, o Diario apresentou o laudo do Instituto de Criminalística com base em livros contábeis da Priples. Nele, o investigação afirma que 99,9% da movimentação financeira são relacionados a novas adesões ao negócio, ou seja, sem sustentabilidade econômica. A área jurídica da Priples, assim como o presidente da empresa, foram procurados pela reportagem, mas não atenderam as ligações.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.