Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Responsabilização » Lei entra e endurece punições a empresas envolvidas em corrupção

Publicação: 29/01/2014 08:33 Atualização:

A Lei Anticorrupção (12.846 /13) entra em vigor hoje com um desafio: disciplinar a conduta das empresas em atuação no país e de seus empregados. Agora, não somente dirigentes ou outros representantes poderão ser responsabilizados em casos de corrupção ou qualquer tipo de ato contra a administração pública. A nova legislação determina que também haverá punição, através de processos penais, de empresas envolvidas em atos ilícitos, com a aplicação de multas de até 20% do seu faturamento bruto anual, além de possilidade de encerrar as suas atividades.

O instrumento utilizado pelas empresas era afastar o funcionário envolvido no crime, além de negar que a postura ilícita se tratava de política da empresa, evitando punições à pessoa jurídica. Segundo a titular da área de direito empresarial do escritório Queiroz Cavalcanti Advocacia, Camila Oliveira, a lei já tinha função penal para os envolvidos e passa a incorporar punições cíveis. %u201CA empresa terá punições, independentemente do agente interno envolvido na corrupção constatada. Mas o grande bônus é que as organizações vão trabalhar com a política de compliance%u201D, destaca.

O termo citado pela advogada representa um conjunto de disciplinas para fazer cumprir as normas legais estabelecidas para o negócio. %u201CMostra, no mínimo, que a empresa está se esforçando para evitar qualquer inconformidade%u201D, explica. %u201CO problema é que a falta de regulamentação provoca um sentimento de insegurança quanto à real vigência imediata da lei. É essencial%u201D, pondera. %u201CAlgumas questões, como o cálculo de penalidades e atenuantes para as sanções, permanecem obscuras.%u201D

No Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a Meta 18 foi criada para tratar de crimes de corrupção, improbidade administrativa ou qualquer crime contra o estado. Até 31 de dezembro de 2011, foram 3.389 ações em comarcas do estado relacionadas a crimes do tipo, das quais 1.505 foram julgadas até o fim de 2013. Os dados são da Corregedoria do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) e do gestor da Meta 18 no estado, o desembargador Mauro Alencar.

%u201CAvançamos bastante, apesar do volume pendente ainda (1.884). Somos o sexto estado que mais avançou no julgamento de processos da Meta 18.%u201D Segundo Alencar, os números de 2012 e 2013 não foram contabilizados porque a Meta 18 passará por parametrização do CNJ. %u201CVão excluir alguns tipos penais, como crimes de tráfico de entorpecentes ou resistência à prisão, que não têm a ver com a administração pública.%u201D
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »