• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Telefonia » Brasil fecha 2013 com crescimento de 3,55% no número de linhas de celular

Agência Brasil

Publicação: 27/01/2014 15:46 Atualização:

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) contabilizou, em 2013, 271,1 milhões de linhas de telefonia móvel ativas, o que representa um crescimento de 3,55% na comparação com o ano anterior - ou 9,92 milhões de adesões ao longo do ano. Desse total, 211,58 milhões de linhas (ou 78,05% do total) são relativos a acessos pré-pagos, enquanto 103,11 milhões (21,95%) correspondem a serviços pós-pagos. A telefonia móvel de quarta geração (4G) contabilizou, no mesmo período, primeiro ano de operação, 1,31 milhão de terminais com o serviço.

Já o índice de teledensidade – que mede a quantidade de linhas de celular por habitante – registrado em 2013 ficou em 136,45 acessos por 100 habitantes. Com 6,1 milhões de linhas móveis, a unidade federativa que apresentou maior índice de teledensidade foi o Distrito Federal, com 222,95 acessos por 100 habitantes. Já o estado que apresentou o menor índice, no mesmo período, foi o Maranhão (95,37), que tem 6,41 milhões de linhas ativas. São Paulo é o estado com maior número de linhas ativas: 65 milhões, com teledensidade de 153,7 acessos para cada 100 habitantes.

A operadora que detém maior número de acessos é a Vivo: 77,24 milhões, o que corresponde a uma participação de 28,49% do mercado. Em segundo lugar está a Tim, com 73,43 milhões de acessos e uma participação de 27,09% do mercado. Em seguida estão a Claro, com 68,7 milhões de acesso e uma participação de 25,34%; e a Oi, com 50 milhões de acessos e 18,52% de participação do mercado. A consolidação desses números foi divulgada nesta segunda-feira (27), em nota, pela Anatel.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.