• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Retrato do funcionalismo » Estabilidade no emprego não contém rotatividade

Correio Braziliense

Publicação: 21/01/2014 11:27 Atualização:

Nem mesmo a tão venerada estabilidade consegue segurar todos os aprovados em concurso público. Há quem abra mão das benesses do Estado para montar o próprio negócio, encarar a iniciativa privada ou mesmo voltar a estudar. Desde 2011, somente no Poder Executivo Federal, foram registrados 21,3 mil desligamentos de civis — uma média de 7,1 mil por ano —, incluindo as raras exonerações e o frequente troca-troca daqueles que pedem demissão para tomar posse em outro órgão. Todos os anos, um terço das pessoas nomeadas acaba substituindo quem deixou os cargos públicos.

Os dados, levantados pelo Ministério do Planejamento no Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape), mostram a constante rotatividade no funcionalismo, que, embora o governo a considere baixa, preocupa bastante especialistas em gestão pública. Do total de desligamentos, 10.335 — ou 48% — se referem a pedidos voluntários de demissão ou exoneração, contrários à lógica concurseira. O restante — praticamente a outra metade — envolve saídas por aprovação em outro cargo.

A rotatividade de servidores efetivos comprova a falência do modelo de recrutamento do Estado, no entender do professor de direito público do Ibmec Jerson Carneiro. O fenômeno se torna um grave problema para o país, acrescenta ele, porque reflete a ausência de planos de carreira estruturados e uma contínua insatisfação dos aprovados. “As pessoas criam expectativas irreais em torno do funcionalismo, atribuindo o sucesso apenas à questão financeira e ao status”, diz.

Sobretudo em Brasília, é bastante comum concurseiros, mantendo-se no setor público, continuarem estudando para seleções que ofereçam melhores perspectivas. “Não existe vocação, não se cria vínculo, nada disso. O serviço público vira bico, e isso é terrível para o país”, comenta Carneiro. O pior, insiste o especialista, é que, na maioria dos órgãos públicos, as promoções se dão por tempo de serviço, não havendo estímulo à qualificação profissional.

Sem arrependimento

Para surpresa de amigos e familiares, Hugo Viana, hoje com 39 anos, teve a coragem de, em 2004, pedir demissão dos Correios e deixar para trás uma vida, para muitos, tranquila. “Não pensava em estabilidade. Queria aprender mais, crescer profissionalmente, e ali não era possível”, conta ele, que se mudou para São Paulo e abriu uma consultoria em tecnologia da informação. “Nunca me arrependi. Foi a melhor decisão que já tomei”, enfatiza.

Grato ao Estado pelo aprendizado que teve nos poucos meses de dedicação em Brasília, Viana acredita que cada pessoa tem um perfil. O problema, observa ele, é que muitos tentam se encaixar no serviço público sem a mínima vocação. “Existem excelentes servidores, profissionais que adoram o que fazem e não se veem trabalhando em outra coisa. Mas também há muita gente dependente da estabilidade e claramente infeliz e fora de lugar”, compara o engenheiro.

A luta contra a frustração e a busca pelo cargo ideal custam caro ao Estado. E quem paga a conta dessa dança das cadeiras é o contribuinte. Não bastasse isso, a rotatividade impacta diretamente na qualidade dos serviços oferecidos à população. “Um bom serviço depende de funcionários motivados, capacitados e treinados. Sem continuidade, isso se torna impossível”, alerta o economista e secretário-geral do Contas Abertas, Gil Castelo Branco.

Como muitos jovens que desembarcam na capital federal, o soteropolitano Gabriel Moura, 23 anos, fez a graduação de olho nos concursos. Em dois anos, participou de seis seleções. Assim que se formou em economia pela Universidade de Brasília (UnB), em 2012, conseguiu a aprovação para a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). “Tomei posse já pensando em sair”, confessa ele, que, neste ano, assumirá um posto na Secretaria do Tesouro Nacional, vinculada ao Ministério da Fazenda.

A migração fará o rendimento mensal de Gabriel mais do que dobrar, chegando à casa dos dois dígitos. Ele já pensa, inclusive, em comprar o primeiro imóvel. No entanto, completa o jovem, tão importante quanto o aumento salarial será o novo desafio. “Vou para mais uma etapa da minha vida, serei mais útil”, comenta ele, que pretende fazer carreira no ministério, mas não fecha as portas por completo. “Se surgir algo melhor”, pondera.

Salvo o quadro atípico em algumas “ilhas” no Poder Executivo, o que se constata, afirma Castelo Branco, é uma realidade de servidores sem motivação, contribuindo para a rotatividade permanente. “Muitos ficam pulando de galho em galho porque fazem o concurso pelo concurso, o primeiro que aparecer. Pensam somente no salário e na estabilidade e acabam assumindo cargos sem o perfil adequado para aquela carreira”, analisa o economista.

Na avaliação do Ministério do Planejamento, o fluxo de entrada e saída de servidores não configura descontinuidade, uma vez que os desligamentos nos últimos três anos corresponderam, em números absolutos, a 3,6% do total de servidores ativos. Assegura ainda não haver “evasão de servidores”.

»  Palavra de especialista

Escolha errada é o problema

“O dinheiro e a estabilidade, por si só, não são suficientes para garantir bem-estar e satisfação profissional. As vantagens do serviço público não bastam. Muitos aprovados para cargos considerados maravilhosos vivem infelizes, adoecem e acabam procurando fora do trabalho atividades que dão prazer. Em Brasília, principalmente, é muito comum servidores utilizarem o funcionalismo apenas como meio de sobrevivência, dedicando-se aos hobbies nas horas vagas. Muitos outros só fazem, de fato, o que gostam depois que se aposentam. O ideal é encontrar uma atividade que alie satisfação e remuneração digna. Também não adianta a pessoa fazer o que gosta e não ter condições de assumir os compromissos financeiros. O problema não está no serviço público, mas na forma como muita gente encara a escolha profissional”.

Eika Lobo Junqueira, psicopedagoga, especialista em orientação vocacional

» Análise da notícia

A busca pela estabilidade no emprego a todo custo cega e pode ser mais traiçoeira do que se imagina. É óbvio que todos nós queremos um trabalho que nos satisfaça e, ao mesmo tempo, possibilite uma vida digna. Mas o objetivo pelo qual boa parte dos jovens têm almejado o funcionalismo não se apresenta como algo razoável, além de contribuir e muito para explicar a péssima qualidade dos serviços públicos brasileiros. Os cursinhos preparatórios para concursos estão lotados de candidatos dispostos a fazer da vida algo completamente alheio à própria formação original, motivados exclusivamente pelas benesses do Estado. A rotatividade constante no Executivo consolida a figura do concurseiro, alguém que, não raras vezes, revela-se um eterno insatisfeito. Nos divãs de consultórios de psicologia da capital do país, sobretudo, servidores desabafam suas frustrações pessoais, não resolvidas nem mesmo pela idolatrada estabilidade. Seria louvável se a velha orientação de “fazer o que gosta” voltasse a ser levada em conta. O Brasil, tão carente de servidores verdadeiramente comprometidos, agradeceria.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.