• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Correção » Saiba como reaver as perdas do FGTS

Rosa Falcão

Publicação: 15/01/2014 07:45 Atualização: 15/01/2014 11:11

Estima-se que chegam a R$ 201 bilhões as perdas acumuladas pelos trabalhadores de julho de 1999 a janeiro deste ano, período em que a correção das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ficou abaixo da inflação calculada INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Para resgatar o prejuízo do passado e prevenir o futuro, o correntista precisa entrar com uma ação na Justiça contra a Caixa Econômica Federal, pedindo o dinheiro de volta. O caminho pode ser coletivo ou individual - tem as vantagens e as desvantagens que devem ser avaliadas pelo trabalhador. O importante é não abrir mão dos direitos.

O prejuízo ocorreu porque a fórmula de remuneração das contas do FGTS utilizada pela Caixa desde junho de 1999 não cobre as perdas da inflação. Por isso, o mecanismo é batizado de expurgos da TR (Taxa Referencial) para o INPC. Os trabalhadores que estão empregados e têm contas do FGTS a partir deste período podem se movimentar para obter os recursos de volta. Para calcular quanto vai receber de reembolso, o correntista terá de pegar os extratos de todas as contas para reconstituir a sua trajetória de depósitos, saques e as remunerações.

Não é tão simples. A Caixa é obrigada a fornecer os extratos atualizados pela internet ou de forma presencial. Mário Avelino, presidente do Instituto FGTS Fácil, orienta o trabalhador a obter o documento pela internet, porque é mais rápido. Só que a maioria dos correntistas do FGTS não têm facilidade de acesso e familiaridade com a tecnologia. No site da ONG (http://www.fgtsfacil.org.br) é possível acessar três opções de extrato: uma delas com o cálculo dos expurgos da TR.

Depois de obter os extratos e contabilizar o que deixou de ser ganho, o trabalhador vai decidir se entra com uma ação individual ou uma ação coletiva. Avelino aponta as vantagens e desvantagens dos dois tipos de processo judicial. A ação individual é mais onerosa porque os patrocinadores pagam os honorários e as custas processuais separadamente. Por outro lado, na hora de receber o dinheiro, a liberação pode ser mais rápida, pois o desembolso do governo é menor.

A ação coletiva tem os custos reduzidos. Segundo Avelino, em geral é cobrado o valor simbólico de R$ 5 ao grupo patrocinador. O dificultador é na hora de executar a decisão judicial, porque o pagamento é mais lento. As ações coletivas podem ser apresentadas pelo número mínimo de dez pessoas. A estimativa é que tramitem hoje, nas três instâncias do Judiciário, perto de 26 mil processos de FGTS contra a Caixa.

Mais um detalhe: o prazo de prescrição para entrar na Justiça e pedir as perdas dos expurgos do FGTS é de 30 anos. O prazo é contabilizado a partir de 10 de agosto de 1999.

Saiba mais

Como recuperar as perdas do FGTS

1º passo
O trabalhador deve procurar saber se tem perdas com os expurgos do FGTS. Se ele foi admitido a partir de junho de 1999, mesmo que já tenha sacado posteriormente o saldo, teve perdas na remuneração do FGTS

2º passo
Pegar os extratos das contas de FGTS na Caixa Econômica Federal desde o primeiro emprego. O documento pode ser obtido pela internet. Basta se inscrever nos sites www.caixa.gov.br ou www.fgts.gov.br

3º passo
Calcular o valor da perda causada pelos expurgos da TR desde julho de 1999 até 10 de janeiro de 2014. O cálculo pode ser feito pelo próprio trabalhador ou por um contador

4º passo
Entrar com uma ação coletiva ou individual na Justiça. As ações até 60 salários mínimos (R$ 43.440) podem ser apresentadas aos Juizados Especiais. Acima de 60 salários mínimos devem ser encaminhadas à Justiça Federal

* As centrais sindicais, os sindicatos e as associações de classe podem entrar com ações coletivas. Outra opção são as ações individuais.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: maria medeiros
é mto importante a união de todos para que possamos reaver as perdes do fgts | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.