Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mercado financeiro » Dólar inverte sinal, se desvaloriza e vale R$ 2,35; ações da OGX sobem mais de 20%

Agência O Globo

Publicação: 26/12/2013 14:10 Atualização:

Na volta do feriado de Natal, o dólar comercial abriu a sessão desta quinta-feira (26) em alta, mas perdeu força. Às 12h15, a moeda americana se desvalorizava 0,16%, sendo negociada a R$ 2,349 na compra e R$ 2,351 na venda. Na máxima do dia, o dólar foi negociado a R$ 2,366 (valorização de 0,46%) e na mínima bateu em R$ 2,351 (queda de 0,21%). Analistas preveem um pregão fraco, já que muitos investidores fecharam câmbio na semana passada e estão fora das negociações.

“O dólar abriu a sessão de hoje em alta, em linha com o comportamento da moeda no exterior. Entretanto, com a redução dos ganhos da divisa americana ante as moedas emergentes e o leilão de swap tradicional feito pelo Banco Central, em meio a um fraco giro financeiro, o dólar reverteu sua trajetória e chegou a R$ 2,35. Os números abaixo do previsto nos pedidos de auxílio desemprego divulgado há pouco nos EUA não influenciaram na cotação da moeda”, diz João Paulo de Gracia Correa, especialista em câmbio da corretora Correparti.

Por aqui, o Banco Central vendeu nesta manhã mais 10 mil novos contratos de swap cambial tradicional, que equivalem a uma oferta de moeda americana no mercado futuro. Foram vendidos o equivalente a US$ 496,7 milhões.

Os mercados de ações e de juros no Brasil também voltam às operações hoje, depois de terem ficado fechado por dois dias. Mas têm poucos negócios, já que os investidores não estão tomando posições mais arriscadas nesta reta final do ano. O Ibovespa, principal índice do mercado acionário brasileiro, se mantém em alta e às 12h15 subia 0,12% aos 51.417 pontos e volume financeiro de apenas R$ 857 milhões.

Entre as ações mais negociadas do pregão, Vale PNA sobe 0,50% a R$ 31,97; Petrobras PN tem queda de 0,52% a R$ 16,97; Itaú Unibanco PN sobe 0,31% a R$ 31,57 e Bradesco PN está estável a R$ 28,70.

“Até a próxima semana, o volume financeiro será muito reduzido, com pouca disposição dos investidores em fazer negócios. Será assim, até o final do ano. O destaque de hoje são as ações da OGX, que disparam após o acordo com credores internacionais”, diz Luiz Roberto Monteiro, operador da corretora Renascença.

As ações ordinárias da OGX Petróleo sobem 26,31% a R$ 0,24 após a empresa anunciar ter fechado um acordo com credores internacionais detentores de títulos. Eles trocarão US$ 5,8 bilhões em dívidas por uma participação acionária de até 90% na companhia. Com isso, as participações de Eike e dos minoritários serão diluídas para até 10%. No acordo, os credores se comprometeram também a investir entre US$ 200 milhões e US$ 215 milhões, em recursos novos. Os papéis ordinários da OSX, estaleiro do grupo de Eike Batista, também se valorizam 15% a R$ 0,54, beneficiadas pelo acordo.

Vale vende suas ações da Log In

Nesta quinta, acontece na BM&F Bovespa, o leilão de venda das ações da Log In oferecidas pela Vale. A mineradora está se desfazendo de sua participação na empresa de logística. A operação envolve pouco mais de 31% das ações da Log In e deve movimentar cerca de R$ 230 milhões. O preço fixado pela Vale para cada ação foi de R$ 8,00.

A Vale anunciou também que vendeu sua participação de 44,25% no capital da Fosbrasil para a Israel Chemicals por US$ 52 milhões. A companhia, localizada em Cajati, em São Paulo, produz ácido fosfórico purificado. De acordo com a Vale, a venda faz parte do programa de desinvestimento da mineradora, que visa manter no portfólio apenas ativos de classe mundial, de grande escala. A operação ainda está sujeita à aprovação de órgãos reguladores como o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

No mercado de juros futuros, os contratos com maior liquidez, os DIs com vencimento em janeiro de 2017, recuam de 12,31% para 12,29%. Os contratos com vencimento em janeiro de 2016 caem de 11,73% para 11,71%.

Hoje são esperados novos dados da economia americana. Pela manhã, foi divulgado que os pedidos de bens duráveis subiram 3,5% em novembro na comparação com o mês anterior. Em outubro, as encomendas caíram 0,7%, segundo o Departamento do Comércio. Analistas previam alta de 2,2% nas encomendas de novembro.

Já os pedidos de auxílio-desemprego recuaram em 42 mil para 338 mil. Analistas estimam que o dado ficasse em 344 mil de 379 mil da leitura anterior. Nesta semana, os índices Dow Jones e S&P 500 alcançaram novas máximas recordes com indicadores sinalizado que a economia americana cresce a um ritmo mais consistente. Com base nestes dados, o Federal Reserve, o banco central americano, deve analisar sua decisão de continuar reduzindo os estímulos à economia. Na semana, passada o Fed decidiu reduzir de US$ 85 bilhões para US$ 75 bilhões as coompras mensais de títulos.

Na Ásia, o mercado de ações do Japão atingiu a máxima pontuação em mais de seis anos. O índice Nikkei subiu 1,03%, aos 16.174 pontos, a máxima desde novembro de 2007. O índice foi impulsionado pelas ações de grandes exportadoras, em meio à desvalorização do iene.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »