Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Agência internacional » S&P corta nota da Venezuela a -B por "radicalização" da política econômica

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 15/12/2013 08:19 Atualização:

Homem vota durante eleições municipais em Caracas. Foto: Leo Ramirez/AFP Photo
Homem vota durante eleições municipais em Caracas. Foto: Leo Ramirez/AFP Photo
A agência internacional de classificação de risco de crédito Standard & Poor's reduziu a nota da dívida soberana da Venezuela de "B" a "-B", por causa da "radicalização" das políticas econômicas do governo do presidente Nicolás Maduro.

"Esperamos uma continuação de políticas econômicas erráticas na Venezuela que, junto com pressões de liquidez externa e polarização da política sustentada, exacerbarão a dependência do governo dos preços do petróleo e enfraquecerão sua capacidade de enfrentar choques adversos", disse a S&P em um comunicado.

O presidente Maduro anunciou domingo medidas econômicas nos setores imobiliário e alimentar como parte de suas políticas contra o que descreve uma "guerra econômica" do setor privado ligado à oposição.

Nas últimas semanas, Maduro decretou medidas que intensificam os controles sobre os preços de produtos como eletrodomésticos, calçados e têxteis, regulam os lucros comerciais entre 15% e 30%, o comércio de veículos e os arrendamentos de locais comerciais.

A Venezuela atravessa uma crise econômica com uma inflação de 54% ao ano, enquanto o dólar norte-americano supera nove vezes a taxa oficial no mercado paralelo, resultado do controle de mudanças vigentes desde 2003.

A Venezuela realizou eleições municipais domingo nas quais o chavismo ganhou 255 das 337 prefeituras que foram disputadas.

Para a S&P, esses resultados eleitorais "reforçarão a tendência recente de uma maior intervenção do governo na economia, criando mais incerteza".

Além de cortar a nota, a agência financeira colocou a Venezuela com perspectiva negativa, por causa de "crescentes distorsões econômicas e polarização política" que aumentam os riscos da dívida soberana do país nos próximos dois anos.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »