Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Condepe/Fidem » Indústria da transformação de Pernambuco cresce em novembro

Diario de Pernambuco - Diários Associados

Publicação: 12/12/2013 14:55 Atualização: 12/12/2013 17:53

Os empresários pernambucanos seguem confiantes com o desempenho da indústria de transformação do estado. Os dados divulgados nesta quinta-feira (12) pela Agência Condepe/Fidem, em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), mostram que, entre os meses de outubro e novembro, o Índice de Confiança da Indústria de Pernambuco (ICI-PE) avançou 1,3%, ao passar de 111,2 para 112,6 pontos.

No mesmo período e base de comparação, o Índice da Indústria de Transformação Nacional (ICI-BR) avançou 1,2%, para 95,7 pontos. De acordo com a pesquisa, o ICI-PE cresceu pelo segundo mês consecutivo, o que não ocorria desde junho de 2012. Com os aumentos registrados em outubro e novembro, o indicador retorna ao patamar de julho de 2013, recuperando as perdas do terceiro trimestre. O ICI-PE permanece acima da média histórica desde abril de 2005 (109,6). Na mesma comparação, o ICI-BR encontra-se abaixo da média de igual período (100,9).

As avaliações sobre o momento presente influenciaram o aumento do índice. O Índice da Situação Atual (ISA-PE) avançou 3,9% (124,4), o maior nível desde agosto passado. Já o ISA-BR registrou avanço de 1,8% (96,1). O Índice de Expectativas (IE-PE) recuou 1,7% em novembro (101,7), enquanto o IE-BR avançou 0,6% (95,4). Influenciado pelo mercado interno, o quesito que avalia o nível de demanda foi o de maior relevância no resultado do ISA-PE. No mês de análise, o indicador avançou 8,6% (119,0). A parcela de empresas que consideram o nível de demanda forte aumentou 31,5% e as que avaliam como fraca cresceu 12,5%.

Dentre os quesitos que compõem o IE-PE, a principal influência foi tendência dos negócios, cujo indicar registrou queda de 14,3% (140,2). A parcela de empresas que esperam melhora do ambiente de negócios nos próximos seis meses caiu 45,4%, enquanto as que preveem piora aumentou 5,2%. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) registrou recuo de 0,3 ponto percentual em relação a outubro, a quarta queda consecutiva. Em novembro, o NUCI atingiu 79,4%, nível acima da média para o período desde abril de 2005 (78,6%).

Serviços

Em contrapartida, o Índice de Confiança de Serviços de Pernambuco (ICS-PE) recuou 2,2% no mês novembro, em relação ao mesmo período do ano anterior. Apesar da queda, o resultado é  mais favorável que o registrado em outubro (-7,6%). No âmbito nacional, a confiança de Serviços apresentou piora relativa ao passar de -4,7% para -6,6%, no mês de análise.

A melhora dos Índices de Expectativas (IE/S) e da Situação Atual (ISA/PE) resultaram na evolução do ICS-PE. O primeiro registrou queda de 4,0%, após recuar 11,3% em outubro. Já o ISA-S/PE variou -0,1%, apresentando melhora relativa pelo segundo mês consecutivo, em outubro a taxa foi de -2,6%.

Segundo o levantamento do Condepe/Fidem, os quesitos “Tendência dos Negócios” e “Demanda Prevista”, integrantes do IE-S/PE, caíram em novembro, mas com evolução favorável em relação a outubro na comparação interanual. O primeiro passou de -13,8% em outubro para -1,0% em novembro, com 44,3% das empresas esperando melhora nos negócios e 7,4% esperando piora.  Já o segundo passou de -8,9% em outubro para -6,8%. A proporção de empresas que esperam aumento da demanda foi de 46,8%,  enquanto aquelas que esperam uma demanda menor representam 11,3%.

A situação atual dos negócios e volume de demanda atual, quesitos componentes do indicador “Situação Atual”, apresentaram melhora relativa na comparação com o mês de outubro. O primeiro, que havia registrado 1,5% em outubro, apresentou crescimento de 3,2% em novembro. A proporção de empresas que avaliam a situação como boa foi de 35,9% e a parcela das que percebem como ruim atingiu 9,1%. No segundo quesito, houve recuo de 3,8% em novembro, depois de uma queda de 7,0% no mês de outubro. A proporção de empresas que percebem uma demanda forte ficou em 18,8% e aquelas que avaliam a demanda como fraca representam 13,9%.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »