Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Livre comércio » Acordo de Associação Transpacífico terá que esperar até 2014

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 10/12/2013 10:32 Atualização:

O Acordo de Associação Transpacífico (TPP), um grande projeto de livre comércio que inclui 12 países, entre eles Chile, Peru e México, não será fechado neste ano e precisará esperar até 2014, admitiram nesta terça-feira (10) em Cingapura os ministros dos países integrantes.

“Decidimos prosseguir nosso trabalho nas próximas semanas. Após um trabalho suplementar realizado pelos negociadores, temos a intenção de voltar a nos reunir no próximo mês” de janeiro, indicaram em um comunicado os 12 ministros. Os Estados Unidos, defensores do projeto, tentavam fazer com que o TPP se concretizasse antes do fim do ano.

As negociações do TPP envolvem 12 países: Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Brunei, Estados Unidos, Malásia, Japão, Cingapura, Vietnã, Peru, Chile e México. O TPP, cujas negociações começaram em 2004, quer criar a maior zona de livre comércio do mundo em ambos os lados do Pacífico.

O TPP, cujos integrantes somam 40% do PIB mundial, é encarado com frequência como o símbolo da proliferação de acordos regionais em detrimento do multilateralismo defendido pela Organização Mundial do Comércio (OMC), integrada por 159 países. A reunião ministerial do TPP em Cingapura começou no sábado, no mesmo dia em que concluía na ilha indonésia de Bali uma conferência ministerial da OMC na qual foi assinado um acordo para tentar reativar um ambicioso programa de liberalização comercial mundial, lançado em Doha em 2001, mas paralisado desde então.

Outros países podem se somar ao TPP em uma etapa posterior. O presidente Barack Obama elogiou o TPP como parte integrante de sua estratégia para converter a Ásia no pivô de sua política externa. Mas as negociações enfrentaram a complexidade da abertura de certos mercados, em particular no Japão.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »