Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Pregão » Dólar abre em alta e é negociado a R$ 2,36; Ibovespa se desvaloriza

Agência O Globo

Publicação: 03/12/2013 10:34 Atualização:

O dólar comercial abriu a sessão em alta frente ao real nesta terça-feira (3) e às 9h50 estava sendo negociado a R$ 2,358 na compra e R$ 2,360 na venda, uma valorização de 0,21%. É a maior cotaçao desde 27 de agosto quando a moeda americana fechou a R$ 2,363. Na máxima do dia, o dólar chegou a R$ 2,363 e na mínima foi negociado a R$ 2,354.

Na Bolsa de Valores de São Paulo, as atenções estão voltadas novamente para as ações da Petrobras, que ontem tiveram a maior desvalorização em cinco anos. A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) referente ao terceiro trimestre também está na pauta dos investidores. O ibovespa anbriu em queda e às 10h13 se desvalorizava 0,89% aos 50.787 pontos, perdendo o patamar dos 52 mil pontos.

Novamente é esperada volatilidade nos papéis da Petrobras. Hoje, as ações abriram em alta. às 10h10, as ações preferenciais subiam 0,63% a R$ 17,48 e as ordinárias tinham valorização de 0,42% a R$ 16,50. Ontem, as ações preferenciais se desvalorizaram 9,20% enquanto as ordinárias caíram 10,37%, com o desapontamento do mercado financeiro em relação ao reajuste de 4% e 8% para a gasolina e o diesel (eram esperados percentuais de 6% e 10%, respectivamente) e a não divulgação da metodologia de reajuestes de preços aprovada pelo Conselho de Administração.

De acordo com análise do estrategista-chefe da XP Investimento, as ações ordinárias caíram mais que as preferenciais porque os investidores estrangeiros estão céticos em relação à companhia e foram os que mais venderam esses papéis. Além disso, fica mais difícil que as ações ordinárias paguem dividendos 'sem descontos'. O estrategista não acredita em novo reajuste de combustíveis tão cedo para evitar impacto na inflação. Como não vê melhora no curto e médio prazo prazo no cenário para a companhia, a XP recomenda a venda das ações da Petrobras.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro caiu 0,50%, entre julho e setembro, na comparação com o segundo trimestre, percentual maior que expectativa do mercado, que esperava retração de 0,20%. Em relação ao terceiro trimestre do ano passado, o PIB subiu 2,2%, também inferior aos 2,4% estimados pelo mercado. Ações ligadas ao mercado interno podem ser afetadas pelo número.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »