• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Entrevista Após seis anos de carreira solo, Sandy se afirma no mercado com estilo ligado ao pop e ao folk Cantora fala sobre a nova fase, a maternidade e empoderamento feminino

Por: Adriana Izel - Correio Web

Publicado em: 06/06/2016 12:30 Atualizado em: 06/06/2016 12:09

 (Foto: Noely Lima/Divulgação)

Dos 33 anos de Sandy, 26 são dedicados à música. Ela deu os primeiros passos na música ao lado do irmão, Júnior. A dupla se tornou um dos maiores fenômenos do Brasil. Em 2007, a parceria chegou ao fim. Há seis anos, a cantora segue em carreira solo. No início, houve quem duvidasse que Sandy conseguisse seu espaço no mercado. Entre os motivos, a figura marcada por conta da dupla e a dificuldade de definição do estilo da artista. Onde Sandy iria se encaixar na música brasileira? "A minha música é um pouco mais abrangente que isso. Não consigo me encaixar em um estilo só. Mas há um gênero predominante que é pop alternativo com indícios de folk. Uma mistura grande. Tenho muita liberdade para compor sem pensar em que estilo estou fazendo", rebate.

Confira o roteiro de shows no Divirta-se


Depois do lançamento de dois CDs, Manuscrito (2010) e Sim (2013), Sandy retorna com mais um álbum, Meu canto, que deve chegar às lojas ainda neste mês. O disco é definido pela cantora como uma continuidade do que começou há seis anos, com algumas mudanças na sonoridade, mas sempre autoral. “Eu só estou dando continuidade ao meu trabalho. De modo geral, todas as canções revelam emoções minhas, pensamentos, reflexões…”, define.



Brasília será a primeira cidade fora do eixo Rio – São Paulo a receber a turnê Meu canto. O show será baseado no DVD, tendo cinco faixas inéditas, entre elas o já hit Me espera (em parceria com Tiago Iorc), além de duas releituras e duas canções da época da dupla Sandy e Júnior. “Fico feliz e superemocionada de relembrar essa história que construiu quem eu sou hoje como artista e como pessoa”, diz Sandy sobre ainda incluir canções da fase anterior da carreira em seu projeto solo. Confira a seguir entrevista com a cantora, em que ela fala de temas como música, maternidade e empoderamento feminino.

Turnê Meu canto
O show é o DVD. Ele está exatamente igual, com toda a produção, o cenário, a não ser o figurino, porque é preciso mudar, né? Mas posso dizer que está bem fiel ao que eu fiz no DVD. Serão cinco músicas inéditas, entre elas o prelúdio, que é a abertura do show com uma música que se chama Meu canto e mais quatro canções. O restante é baseado nos meus dois álbuns solos, Manuscrito e Sim. Também há duas releituras e duas músicas da época de Sandy e Júnior, que, claro, não podem faltar.

Sucessos da dupla
Na verdade, acho muito bonito de ver. Eles começam a cantar espontaneamente (as músicas da dupla) e isso é até engraçado porque eles cantam todos juntos. Fico tentando entender como eles combinam isso. Fica aquele coro lindo e cheio de emoção. Fico feliz e superemocionada de relembrar essa história que construiu quem eu sou hoje como artista e como pessoa. É uma delícia poder reviver isso, poder cantar com eles e para eles. Nos shows, vou tentando mudar as músicas que coloco da época Sandy e Júnior para tentar agradar ao público desse período.

Continuidade
Eu nunca tinha parado para pensar nessa classificação dos discos. Eu só estou dando continuidade ao meu trabalho. Agora me sinto mais segura e mais firme na carreira solo. Ele reflete o momento que estou vivendo porque meus trabalhos são sempre autorais. Uma coisa ou outra pode mudar na sonoridade, mas são sempre álbuns que marcam o momento que estou vivendo. As músicas têm um quê de autobiográfico. De modo geral, todas as canções revelam emoções minhas, pensamentos, reflexões… Sempre olho muito para dentro para compor minhas músicas.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.