• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Livro Curta essa dica

Publicado em: 25/11/2013 10:49 Atualizado em:

A imagem que construímos das boas velhinhas, carinhosamente chamadas de vovós, são de mulheres calmas e sábias, que nos ensinam boas lições para vida sentadas em uma cadeirinha rolante tricotando roupas e agasalhos. Porém, a jornalista, dramaturga e historiadora Paula Autran com seu livro, Vovó rock and roll, trata de um tema muito importante - os estereótipos e o ser diferente -, por um viés insuspeito - o da avó.

O enredo gira em torno de Cecília, que é convocada pela professora a escrever sobre alguém querido, que não seja nem o pai, nem a mãe. Ela, assim como todos os colegas, escolhem a avó. Porém, após o entusiasmo inicial, a garota fica surpresa e chateada ao descobrir que não tem uma avó como as outras.

O estereótipo que aparece até na placa do metrô leva a garota a se questionar se a avó dela é de verdade, uma vez que não usa chinelo, mas All Star; não usa vestido, mas calça jeans; não faz crochê, mas toca violão, guitarra e harpa; não canta cantiga de ninar, mas rock and roll; e não faz bolos, só pipocas.

Numa união muito bacana de imagens e texto, o livro mostra ensina o que é preciso para escapar dos convencionalismos e estereótipos, e valorizar as pessoas não pelas aparências, mas pelo que elas são de fato.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.